terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Desejos e Anseios

Desejo?.... não, isso pressupõe ausência e distância. Espero?... não, isso também não. Pressupõe perder-se muito de um tempo que talvez não tenhamos, a fazer o quê? A esperar. E Votos de?... Também não era bem isso. Isto não é nenhuma votação... Olhem,

tenham mas é um Feliz Ano Novo!

Deixem-se realizar pelos vossos sonhos.

E tenham muita, muita saúde.
:)

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008


(na pista de gelo artificial, em Beja) - Portugal 2008

Um Feliz Natal para todos. ;)

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Type of questions


(por aí...) Portugal 2008

He was nervous. He asked her. Will you marry me?
You must be out of your beautiful f#!."# damn mind, she said.
What?! He could not believe it... She had shot him down. Poor guy.
Well, can't you see we already are?... :) she completes her sentence.
As she brought him back. Lucky guy.

Pois é. Às vezes as coisas não são bem o que parecem. E nem sempre têm o primeiro significado que lhes atribuímos. Muitas vezes correspondem exactamente ao contrário. Basta esperar só mais um pouquinho ;)

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008


Nos Outros - Um segredo (pela Mitra, Évora) - Portugal 2008
Segreda-me uma coisa ao ouvido, que eu não digo nada.
Fala-me aquilo que eu já sei. Daquilo que vi.
Fala que eu escuto, fala que eu não digo nada.
Não sou cego, nem sou surdo.
Sou é mudo.

Os Outros (pela Mitra, em Évora) - Portugal 2008

"Muitas vezes os seres são claros e translúcidos por serem primários e à medida que vão evoluindo é que se vão tornando opacos. Pensemos. Talvez seja isto: à medida que mais evoluindo vamos é que vão sendo precisos olhos mais penetrantes para se poder distinguir a qualidade de um ser. Então não será só à luz do sol que se deverá considerar a limpidez ou a translucidez do corpo de um ser mas à luz de outros princípios luminosos. (...) Aqui a razão precisava de ter evoluído paralelamente aos olhos, ora os nossos olhos vão de encontro aos seres como de encontro a um muro." Ana Hatherly, in 'O Mestre'
E aqui a sombra não é de um se não o próprio.

Rosa azul


Experiências (não genéticas!) sobre uma rosa Rosa - Portugal 2008

"A rosa azul simboliza mistério." Fui então investigar o mistério de como são produzidas! Existem desde 2004 e nasceram graças à engenharia genética (de uma parceria entre uma empresa japonesa e outra australiana). Um trabalho desenvolvido desde 1990. E ainda não se pode dizer que existam em grande quantidade no mercado.
"A rosa azul simboliza a conquista do impossível." Quase tudo é possível. Até criar artificialmente uma coisa que consiga despertar em nós sensações bem reais.
"A lenda diz que qualquer rosa se tornará azul dependendo de quem a segura e a intensidade do amor a quem a oferece. Simboliza por isso o amor eterno, verdadeiro e único." Aquele que alguns defendem não existir.
"A rosa azul simboliza espiritualidade." Enfim, simbolizará tudo aquilo que se queira e que cada um é livre de sentir.
Eu gosto de rosas. Gosto de flores no geral.
Para mim, a rosa azul representa uma raridade quase a raiar o impossível.
Quase.