sábado, 25 de janeiro de 2014

Fofuras... em modo descanso!


Bom fim-de-semana a todos!
Eu vou tentar acima de tudo descansar! Parar um bocadinho e recuperar energias. ;)

Leituras - "Contos"

de Tchékhov. Séc. XIX.

Anton Pavlovitch Tchekhov (1860-1904) foi um médico, dramaturgo e escritor russo, considerado um dos maiores contistas de todos os tempos. A sua escrita percebe-se claramente ter grande influência da cultura russa. É simultaneamente fria, formal, reverente e por outro lado envolvente, quente, apaziguadora. Os seus contos são simultaneamente sátiras à sociedade e aos sentimentos de um comum ser humano, e conseguem ainda assim ser enternecedores naquilo que nos ensinam através do cómico a coisas maioritariamente tristes e mundanas. Gostei muito. Adorei os contos: Saudade, O Beijo, e O Testa-Branca.
(a capa deste livro é lindíssima... é a pintura "A Dama de Vestido Verde", de August Macke, 1913)

Frases/ideias que registei destes contos:

"Os olhos de Iona percorrem sôfregos e inquietos as chusmas que formigam de ambos os lados da rua: não haverá entre aqueles milhares de pessoas quem aceite ouvi-lo? Mas a multidão corre sem atentar nele, nem naquela saudade... Uma saudade tão grande, tão sem fim. Se o peito de Iona rebentasse e aquela saudade se derramasse, inundaria o mundo, contudo ninguém a vê. Tão mísera a casca em que a saudade se meteu, nem à luz do dia se vê..."

"E todo o mundo, toda a vida pareceram a Riabóvitch uma brincadeira incompreensível, sem sentido... Desviando os olhos da água e lançando-os para o alto, voltou a lembrar-se como o destino, na pessoa de uma mulher desconhecida, o aconchegara sem querer; lembrou os sonhos e as imagens estivais: e a vida caiu-lhe em cima, miserável, incrivelmente aborrecida e incolor... ... Por um instante, acendeu-se no seu peito uma alegria. Apagou-a imediatamente, deitou-se na cama e, para fazer pirraça ao destino, como que para o irritar, não foi a casa do general."

"Olhava-a nos olhos parados, assustados, beijava-a, falava-lhe baixinho e com meiguice, e ela foi-se acalmando, a alegria voltou-lhe a pouco e pouco e, em breve, já riam os dois"

"...e, vindo de baixo, o ruído do mar, surdo e monótono, que falava do sossego, do sono eterno que nos espera... e assim continuará , com a mesma indiferença e a mesma voz surda, quando já não estivermos neste mundo. E é nesta imutabilidade, na indiferença absoluta para com a vida e a morte de cada um de nós, que talvez resida o penhor da nossa salvação eterna, do movimento ininterrupto da vida na terra, do aperfeiçoamento ininterrupto."

"Gente assim, infeliz e resignada, é a mais insuportável, a mais difícil. Quando um homem infeliz, como resposta a uma censura merecida, olha com aqueles olhos sem fundo e culpados, sorri doentiamente e, submisso, expõe a cabeça, parece que nem a própria justiça terá ânimo para levantar a mão contra ela."

"Quem se preocupa, acima de tudo, com o sossego dos seus entes queridos tem de erradicar completamente da sua vida as ideias."

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Interessantxi!

Nunca tinha ouvido falar de Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly - o Barão de Itararé -  (1895-1971), um humorista brasileiro tido como um dos inventores do contra-politicamente correcto. Fosse o que fosse, tivesse sido o que tivesse sido, as frases que deixou são muito... perspicazes e de que gostei bastante. Aqui ficam algumas:

"Quando pobre come frango, um dos dois está doente."

"O uísque é uma cachaça metida a besta".

"O que se leva desta vida é a vida que a gente leva."

"A criança diz o que faz, o velho diz o que fez e o idiota o que vai fazer."

"Os homens nascem iguais, mas no dia seguinte já são diferentes."

"Dizes-me com quem andas e eu te direi se vou contigo."

"A forca é o mais desagradável dos instrumentos de corda."

"Sábio é o homem que chega a ter consciência da sua ignorância."

"Não é triste mudar de ideias, triste é não ter ideias para mudar."

"Mantenha a cabeça fria, se quiser ideias frescas."

"O tambor faz muito barulho, mas é vazio por dentro."

"Quem empresta, adeus."

"Pobre, quando mete a mão no bolso, só tira os cinco dedos."

"O banco é uma instituição que empresta dinheiro à gente se a gente apresentar provas suficientes de que não precisa de dinheiro."

"Tudo seria fácil se não fossem as dificuldades."

"A televisão é a maior maravilha da ciência a serviço da imbecilidade humana."

"Este mundo é redondo, mas está ficando muito chato."

"Precisa-se de uma boa datilógrafa. Se for boa mesmo, não precisa ser datilógrafa."

"O fígado faz muito mal à bebida."

"Eu Cavo, Tu Cavas, Ele Cava, Nós Cavamos, Vós Cavais, Eles Cavam. Não é bonito, nem rima, mas é profundo..."

"Tudo é relativo: o tempo que dura um minuto depende de que lado da porta do banheiro você está."

"Nunca desista do seu sonho. Se acabou numa padaria, procure em outra!"

"Devo tanto que, se eu chamar alguém de "meu bem", o banco toma!"

"Viva cada dia como se fosse o último. Um dia você acerta..."

"Quem não muda de caminho é trem."

Eu quase que acrescentava aqui a minha célebre.... "não é muito, é pouco!" LOL

Agora é tarde!


O Governo já começa a falar na retoma da economia nacional. Diz que o programa de ajustamento termina já em Maio próximo. E ainda se propaganda por aí o decréscimo no número de desempregados no país! 
Pois... mas tudo isso se deve à enorme sangria de mão-de-obra qualificada que Portugal tem estado a enviar para fora. Acho que todos conhecemos alguém que o fez... Agora parece ir ficar tudo muito bonito. Parecem haver menos desempregados (o que não é verdade! Apenas houve muita gente a ir embora do país e a deixar de contar nessas estatísticas!), e que a economia do país (não das famílias!) vai levantar, e que isto e aquilo... mas no futuro vamos ter falta de todos aqueles que o país andou a formar e que estão a retornar esse investimento lá fora. 

Hummmm... Suspicious!

1.
Quatro raparigas e dois rapazes morreram afogados, engolidos pelo mar, na praia do Meco, no passado dia 15 Dez/2013 à noite. Não se percebe o encanto que teria para alguém “normal” ir para a praia numa noite daquelas: invernosa, gélida, com pré-avisos e alertas de cuidado extremo pois o mar estava especialmente picado e perigoso. Mas ainda assim, podemos assumir que se tratava de um fim-de-semana de jovens e que, na altura dos seus vinte e poucos anos, acharam por bem e divertido ir para a praia naquelas condições. E de repente veio uma onda maior e os tenha levado para o mar, donde nunca mais saíram. Até podemos assumir isso. Mas então porque é que o único sobrevivente se recusa a falar? Qual o mal de contar o que se passou? Já nada os devolve à vida então pelo menos que se esclareça em que condições morreram… E porque é que todos eles pertenciam à comissão de praxes da Lusófona e esse único sobrevivente foi o único também que não entrou no mar e ainda por cima é o dux daquela comissão?! Porque é que todos eles iam trajados, sem os respectivos telemóveis, e andaram km numa noite invernosa até chegarem àquele sítio onde desapareceram? O silêncio do suposto único sobrevivente é denunciador e suspeito. Algo de errado se passou, e talvez a culpa da tragédia não seja apenas a do mar.

Hummmm

Mais informações aquie aquie aquie aqui!

2. 
Um bebé madeirense de 18 meses desaparece de casa. A família só pede ajuda às autoridades 3 horas depois do sucedido. Três dias depois a criança aparece como que caída do céu, a 2km de casa, num canal condutor de água. Como é que os cães perderam o rasto da criança logo após a porta da casa para a rua? Como é que uma criança tão pequena sobrevive durante três longos dias de chuva intensa, sozinha, sem comer nem beber. Acho que não há margens para dúvidas de que alguém esteve com a criança e agora a devolveu. Mas quem? E porquê? E, para quê?

Hummmm 


 Mais informações aquie aqui!

3. 
Políticos que exerceram cargos importantes no Governo, e em alguns casos com funções de evidente conflito de interesse com as empresas/instituições que agora os integram, são contratados para altos-cargos em instituições públicas e privadas internacionais. “José Luís Arnaut foi escolhido para integrar o conselho consultivo internacional da Goldman Sachs”, “Álvaro Santos Pereira vai agora rumar a Paris para ocupar um cargo na sede da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE)”, “Vítor Gaspar candidata-se a alto cargo no FMI”.

Hummmm


Mais informações aquie aquie aquie aqui!

Todas estas notícias parecem-vos tão suspeitas quanto a mim?! Hummmm 

Fofuras


"Quem deseja ver o arco-íris, precisa aprender a gostar da chuva". (O Aleph)

Ora bem, eu já gosto de chuva. Portanto venha de lá o arco-íris! ;)

Boa semana para vocês! Beijinhos ;)

Quiet. Dont say a thing. Just feel and write it down.

Quando ouvi esta música a primeira vez não gostei. Não me disse rigorosamente nada... niente! Mas de repente fez clic! E agora acho-a especial. Faz-me pensar numa data de coisas que muitas vezes evito pensar. É triste sim, mas desperta em mim a vontade de escrever novamente, de tentar encontrar palavras  (mais ou menos) bonitas (e com sentido) para muitas vezes descrever o caos do meu pensamento. Desperta a vontade de mergulhar novamente nesse mundo profundo e voltar carregada de ideias sobre tudo e mais alguma coisa. I'm still learning to love you know?!

AGreat Big World ft Christina Aguilera - Say Someting

Yap...it, pretty much, resumes it all for today!

Radiohead - Creep

Estado de espírito difícilzinho... ninguém nota mas está cá!

domingo, 19 de janeiro de 2014

Batalhas mentais

Hoje acordei sem mão no pensamento. É um daqueles dias, umas daquelas horas em que tudo me parece cinzento. Como funciona a vossa mente? A minha precisa de auto-controlo constante, caso contrário torna-se difícil de aturar! 
Se vai ficar tudo bem?
Sim, espero que sim. Mas tenho de fazer por isso. Controlar, raciocinar (e racionar também!!... os pensamentos negativos!!), visualizar, compreender, e finalmente... aceitar. :)

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Passeando por aí :)

Mafra (Mosteiro/Palácio Nacional) - Aldeia Típica de José Franco - Óbidos (Vila histórica) - Budhha Eden (ou Garden of Peace, na Quinta dos Loridos, Bombarral) ----> foi este o roteiro que de um fim-de-semana de passeio, fotografia, gastronomia, e relax

O palácio nacional em Mafra é lindíssimo. A parte do convento, a biblioteca, os quartos do rei e rainha, as salas e corredores sem fim são sem dúvida dignos de serem visitados e podem tirar-se fotografias à vontade.
A Aldeia Típica de José Franco é o resultado admirável de um humilde oleiro auto-didacta e benfeitor. Cumprindo a sua vontade a entrada na "sua" aldeia é gratuita. É muito conhecida pelo pão com chouriça. E... é um sítio onde se pode perder imenso tempo a apreciar pormenores, o trabalho precioso de um homem que se dedicou a replicar o Portugal antigo, em miniaturas e em tamanho real, com todas as suas construções, personagens, profissões, locais e maneiras de estar. Adorei conhecer. Tínhamos previsto ficar lá pouco tempo mas acabámos por ficar umas horinhas, perdidos na beleza dos pormenores e no regresso a um passado que não foi o nosso mas sim o dos nossos pais e avós.

Óbidos é uma vila muito bonita. Tem fama e faz jus a essa fama. Apetece tirar fotografias a tudo. A cada passo que damos há enquadramentos perfeitos de ruas, muralha, paisagens, jardins interiores, casas e ornamentos.
O Budhha Eden Garden, também conhecido por Jardim da Paz, é um paraíso (ainda em construção é certo...) para a meditação. Um local espiritual. De repente, em pelo Portugal parece que estamos algures no Oriente, rodeados de natureza e cultura oriental, Budas, e figuras tipicamente associadas ao budismo, tibetano ou chinês (ficámos a saber que a diferença se deve apenas aos ombros do Buda... tapados no Tibete, destapados na China), há também uma réplica do exército de terracota... e um sem fim de espaços para se estar, apreciar, descansar, e... respirar fundo... :)
 E ainda.... cereja no topo do bolo ...foto lindíssima no Budhha Eden (a mais bonita, na minha opinião!) - Aqui

 Boa viagem!

sábado, 11 de janeiro de 2014

Hope so

Decidi que vou voltar a pegar na guitarra. Vou voltar a compor. Vou voltar a tocar. Vou voltar a cantar. Vou tentar encontrar esse caminho novamente. Através da música e das palavras, como tantas outras vezes.

Fofuras... Bom fim-de-semana


Brincar é das coisas mais importantes na vida. Seja nos primeiros anos de vida, seja mais tarde. Primeiro, para nos ensinar a viver, e depois para nos ajudar nessa contínua e árdua tarefa diária.

Tenho dias em que penso assim... depois passa!

Tenho dias em que acho que no fundo devo ser um bocadinho autista... ou talvez apenas complicada! Tenho alguma dificuldade na interacção prolongada com outras pessoas. Não confio plenamente em toda a gente nem me dou facilmente. Sou desconfiada à primeira. Não entro em grupos facilmente. Não acredito facilmente. Tenho em dias em que não me apetece ver ninguém à frente, em que acho todos uns hipócritas ou simplesmente desinteressantes
Gosto de estar sozinha. Sempre gostei. Gosto muito dos meus amigos e família e demais pessoas importantes na minha vida, mas não tenho um lidar completamente normal com elas. Eu sou diferente. Sempre senti e sempre soube que era diferente. Já pensei muitas vezes sobre isto e a maior parte dessas vezes vejo-o como um handicap, e que portanto tento corrigir ou contornar. Tenho muitos momentos em que preciso mesmo de me isolar. Sou bicho do mato. Penso melhor assim. No entanto, há outra parte em mim que insiste em gritar-me que a solidão não faz bem a ninguém e não leva a lado nenhum. Que esse pode tornar-se um caminho vazio, frio e sem sentido. E quem não me conhece no lidar de todos os dias acha que eu sou a coisa mais sociável e simpática. Mas não sou. Sou até bastante selectiva. A maior parte das coisas parece-me sempre uma perda de tempo... sou uma chata arrogante de vez em quando e de quando em vez!
Tento portanto combater o meu instinto primário. E consigo tornar-me bastante comunicativa e sociável. Não tenho, se colocar empenho nisso, qualquer dificuldade em abordar alguém e falar do que for preciso. Mas cá no fundo, não consigo ignorar o que vejo ou sinto na outra pessoa. E é-me difícil entender a hipocrisia, falta de honestidade e sinceridade. Para mim já é complicado entrar no vosso mundo... porque é que o tornam ainda mais difícil?!

Meu Malandro

Uptade do meu eterno bebé Malandro. Às vezes zangamo-nos, às vezes faço-lhe cócegas a mais e ele não gosta, às vezes chateio-me eu com ele porque faz algumas coisinhas que não deve... mas no final de cada dia é assim que gostamos de estar um bocadinho. Mesmo que hajam outras coisas a fazer pelo menos um bocadinho deixamo-nos ficar assim. Ele a dormir muito descansado respirando profundamente agarradinho a mim ou no meu colo, e eu a adorar isso :)



The Kangaroo Sanctuary Alice Springs

Já ouviram falar neste centro de acolhimento para cangurus bebés? Se não... façam favor de ver porque é enternecedor e inspirador ver a dedicação e a bondade de alguém que salva animais para voltar a devolvê-los à natureza. Não há interesse de afecto nem de posse dos animais. O objectivo de Bolgra é simplesmente que eles sejam como vieram ao mundo: selvagens. E esse objectivo só se consegue alcançar, paradoxalmente, dando-lhes a maior dedicação, afecto e cuidado possíveis. Muito especial. ;)



Fiquei com vontade de ir para lá e viver assim. É muito parecido àquilo que eu verdadeiramente almejo e dou valor. Fugir da cidade e deste mundo cinzento, de stress e poluição. Regressar à natureza e viver de forma muito mais simples e mais feliz.




Miau-história.... :(

Começo o ano no blog com uma notícia triste. A vida é feita de momentos de alegria e outros de tristeza. Não há bem nem mal nisso. Apenas é o que é.

Lembram-se da história que de que aqui vos falei, sobre a tal gata tipo siamesa que eu e alguns colegas no trabalho cuidámos? Dela e dos seus dois filhotes, um amarelinho e uma pretinha. Pois bem, a história por mim tinha terminado de forma surpreendente e feliz. Mas afinal não foi bem assim.
A pessoa que se apresentou como dona da gata e a quem entregámos tanto a gata mãe como a filhota preta (que era a que faltava adoptar)... deixou a gata adulta fugir... ou abandonou-a...não sei ao certo o que aconteceu. Sei apenas que houve negligência, conscientemente ou não, pois a gata desapareceu em meados de Dez. Soube anteontem que foi encontrada morta num descampado. Não se sabe se terá sido atropleada ou mordida ou batida... :'( 
Nos últimos dias tenho tentado lidar com um misto de tristeza e um profundo sentimento de culpa. Eu tinha uma ligação especial com aquela gata, e quando apareceu a dona achei que o mais correcto era efectivamente devolver-lhe o animal... mas hoje já penso que não o devia ter feito.
Quanto à pequenina... também não a posso ver. Porque a pessoa a quem a entreguei simplesmente... deu-a a uns primos que vivem fora. Mais uma desilusão. 
As pessoas desiludem-me. Não percebo qual o esforço acrescido em ser-se sincero. Isso deveria ser o mais natural entre todos. Muitos problemas, pequenos e grandes, seriam evitados.
Neste caso, o que aconteceu, aconteceu. Uma coisa é certo: em momento algum voltarei a dar o benefício da dúvida a pessoa que me desiludiu e me mentiu. Essa sua falta de sinceridade e responsabilidade custou a vida a outro ser e isso é irreparável.