sábado, 22 de fevereiro de 2014

Diz que sim, tem dias!


Oooops... há quem diga que sim. Que por detrás do meu ar feminino, sereno e descontraído sou uma tempestade. E sou. Com quem conheço ou estou muito à vontade por vezes sou impetuosa, intempestiva, e até sou capaz de atirar alguns raios e coriscos.... yap! That's me! Amuo, mas não sou rancorosa. Depressa me dá, depressa me passa... (quer dizer... normalmente passa... pois claro há uma ou outra excepçãozinha... ihihihih) ;)

Fofuras... bom fim-de-semana!


É super fofo ou não?! Adoro elefantes... adoro gatos, cavalos, vacas, cães, girafas, aves de rapina, baleias, tubarões e golfinhos, periquitos, canários, pardais e pintassilgos, leões, pumas, linces, leopardos, tigres, grous, pelicanos, bem.... adoro animais no geral!! :S :D É que se me pusesse aqui a enumerar todos os animais que amo... o fim-de-semana passava e eu ainda aqui estava a tentar terminar a lista!
Bom fim-de-semana! Beijinhos.

Era uma vez uma hortelã

...que quando começou a ter uma horta e a semear coisas nem sequer sabia que havia um nome para os que se dedicam a essa actividade: é-se hortelão! (presumo então que no feminino seja hortelã... coisa que até àquela data, para mim, não passava de uma planta aromática!) Mas adiante com a contextualização e vamos ao que interessa. Vou mostrar um pouquinho da minha horta e do que lá tenho semeado por esta altura.
Quando comecei não sabia nada. Li algumas coisas mas pouco. Comprei o Borda de Água como é óbvio.. mas nada mais. E ainda bem porque me apercebi que a "ciência" da terra no seu sentido mais prático e básico não se aprende com leituras mas sim actuando directamente na terra, com a enxada e o ancinho na mão, com o conhecimento transmitido pelos mais velhos, com criatividade e espírito de aventura. Há muitas coisas que não sei mas... vou experimentando. E assim vou aprendendo... sim... em gerúndio porque é de facto um processo contínuo!!! ;) 

À esquerda é salsa (está um pouco amarela porque tem chovido muito...). Lá atrás são as couves (ainda a crescer). À direita... cebolas!

Lá atrás são as favas. Estão agora a crescer. Se tudo correr bem vão alcançar quase 1 metro de altura e por isso é que se fazem estruturas (com canas ou outro material) de apoio para que a planta não se parta com o próprio peso. No meio, ainda pequenina....quem adivinha?!?! Usa-se em saladas etc.... é... rúcula que eu gosto muito! E esta amostra de árvore que vêem à frente na foto é a minha clementineira! Já a podei. Espero que na primavera comece a rebentar e a desenvolver-se. Atrás das canas em cruz lá atrás tenho mais uma fileira de favas ;)

A rúcula... de mais perto. A água da chuva ou de poços é sempre a melhor para a rega. De qualquer forma... como já diziam os antigos..."tudo o que é demais não presta"...e água a mais estagna as plantas. A água para as plantas é apenas o meio que as plantas utilizam para absorver os minerais de que necessitam e que estão presentes na terra. Água a mais...afoga-as!

Isto parece relva... mas não é! É assim que se começa por apresentar ao mundo.... o alho francês! Depois de um pouco mais crescidos o que costumo fazer é transplantá-los noutro sítio, mais afastados uns dos outros para que se possam desenvolver bem.

Alguns dos meus amores morangueiros (adoro morangos!! e fruta no geral!), aqui numa foto quase artística... ou talvez apenas queimada pelo sol... sim foi mais isso! Mas acho que dá para ver bem a planta. Os meus morangueiros produzem maioritariamente no verão. Contrariamente ao que usualmente se pensa o morangueiro não é uma planta muito sensível. O ano passado andei a fazer estruturas com manta térmica para protegê-los do frio mas este ano não estive com isso, e sabem que mais? Estão viçosos e bem agarrados à terra (que é como quem diz...agarrados à vida) e espero que assim se mantenham. Quero moranguinhos bons!!

As favas! Aquela estrutura vai ter de ser subida pois daqui a  pouco tempo não vai segurar a planta, que entretanto cresce rápido (Thanks God!).

Ora bem, aqui dentro "gaiola" que eu construí estão as.... ervilhas! Sim, tive de trazer a rede ao barulho porque os pássaros não me deixavam as ervilhas rebentar. A planta da ervilha é muito doce, e os pássaros são muito gulosos. Conclusão... todas as sementes que brotaram foram-me completamente "arrebanhadas" pelos senhores larápios passarinhos. Semeei mais umas, já fora do tempo, e coloquei a rede...para evitar invasão da propriedade alheia porque não quero chatices com a sociedade "passaril". (acabei de inventar esta palavra por isso não estranhem se não vos soar lá muito bem!!!)

Aqui... adivinhem....
À esquerda são coentros, ainda pequeninos porque tem chovido muito e feito muito frio e isso tem atraso o seu crescimento esperado. E à direita.... é cenoura! É assim que desponta após a fase "relva" como no alho francês. O ano passado tive boas cenouras e muito doces. Vamos a ver como serão as deste ano.

Lá atrás é fácil não é? Sim, são couves. Couve bróculo mais à esquerda, couve portuguesa e caldo verde mais para a direita. À frente das couves tenho alhos. Quando se apanharem as favas costuma-se cortar a folha do alho, que junto com os coentros fazem os ingredientes necessários para aromatizar as favas guisadas.

Aqui... estou triste com estas maganas.... São as batatas. Estavam com uma folha linda há 3 semanas atrás. Entretanto ficaram nesta triste figura, o que me indica que lá em baixo o tubérculo também não se está a desenvolver bem. Isso significa que vou ter (se vier a ter!) batatas pequeninas e que tem chovido demais. A batata "não gosta" de muita água porque precisa essencialmente de calor para desenvolver-se na terra.  Posto isto, espero bem  que o Sr. São Pedro tenha livro de reclamações! :) 
Agora a sério. Eu levo isto na "descontra". Fico triste quando o que semeei ou plantei não está a correr como esperava mas por outro lado aprendo o que gosta ou não determinada planta e isso é sempre bom. Como tudo na vida, basta mudarmos a perspectiva para conseguirmos ver as mesmas coisas de forma diferente! :)

Espero que tenham gostado de conhecer um pouco das minhas horticulturas. ;)

(Se alguém tiver dicas interessantes ou precisar de alguma coisa relacionada com esta minha actividade "extra-curricular" faça favor de me abordar e perguntar. Como dizia, e bem, uma professora que tive... a vida é tão curta que mais vale parecer estúpido do que morrer estúpido! E essa é sempre a minha postura na vida. Não tenho vergonha nem medo nenhum de perguntar o que não sei se tenho curiosidade. Porque não me interessa o que os outros pensem mas sim o que eu quero aprender ou saber.)

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Engolir em seco....

Imagens impressionantes da (...ainda não lhe chamaram mas para mim aquilo que se está a passar lá é uma autêntica...) guerra civil na Ucrânia. O povo está cansado de tanta corrupção e desrespeito pelos seus direitos a uma vida digna, iguais oportunidades e acima de tudo pelo seu direito à liberdade. De escolha, de pensamento e de expressão.











Compreendo o povo e a sua revolta. Mas custa ver que a violência é o único meio que têm para se fazerem ouvir. Às vezes penso que, por mais evoluída que esteja a espécie humana infelizmente será sempre e só através de guerra e morte que ocorre a mudança e a liberdade. É um contra-senso, e a evolução/elevação deveria trazer-nos a possibilidade de resolver conflitos e de mudarmos/melhorarmos através da paz e da união, nunca da guerra e do sangue. Mas assim tem sido feita a História, e creio que assim continuará...

Outra coisa... custa-me saber que aqueles polícias para os quais os manifestantes civis atiram pedras, very lights, bombas artesanais, etc são também eles ucranianos (são eles que dão a cara e o corpo, mas quem o povo gostaria mesmo de atingir era a classe política e os decisores corruptos e ditadores do país). Muitos dos polícias que encaram os manifestantes possivelmente também querem uma mudança no rumo do país, têm com certeza uma família que querem que viva num país justo, mas estão a cumprir aquilo que juraram fazer ao entrarem para a sua profissão. Sei que alguns de vós contestarão este meu raciocínio mas é a minha opinião! Porque é que então eles não baixam as armas e vão para o lado dos manifestantes para lutarem lado-a-lado? Por diversas razões, uma das quais são os grupos infiltrados entre os manifestantes a quem não lhes interessa o país mas apenas a violência, o caos e o distúrbio por si só. 

Como é que isto se vai resolver? Acho que ninguém ainda sabe muito bem. Nem mesmo os principais intervenientes, quanto mais a comunidade internacional.... que assiste boquiaberta à selvajaria e agora sim, relembram que um povo constitui um país, e vice-versa.

Todas as fotos... aqui.

Um importante testemunho:

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Porque... sim!

Porque para mim as músicas que gosto não são novas nem velhas, são boas. Porque adoro esta versão da música. Porque está ultra-especial! Porque me faz vontade de ter lá estado a ouvir e assistir ao vivo. Porque me faz sentir adrenalina. Aqui vai:

Guns N' Roses - Knockin' on heaven's door - live in Tokyo 1992

World Press Photo of the Year - 2014


"A organização do mais importante concurso de fotojornalismo do mundo, o World Press Photo, divulgou os trabalhos vencedores. Uma imagem do norte-americano John Stanmeyer foi a escolhida para o Grande Prémio de 2013. É uma fotografia que mostra um grupo de emigrantes africanos que, de telemóveis erguidos para o céu e à luz da lua, tentam a partir da costa do Djibuti encontrar a rede somali mais barata para poderem falar com os seus familiares." (in Jornal Público) A Foto chama-se "Signal".

Há uma foto (podem vê-las todas no site do WPF - aqui) que venceu na categoria de Histórias Contemporâneas (A portrait of domestic violence), e me impressionou imenso, por ser verídica, e após saber toda a história que a justifica e que efectivamente nos desperta para a questão da violência doméstica. Em meios pouco estruturados, de necessidade financeira e emocional, é mais provável que as pessoas enveredem pelo crime, activa e passivamente. Activamente pela mão daqueles que agridem o seu cônjuge e (assustadoramente) consideram esses actos banais e sem gravidade, e passivamente pela pele daqueles (maioritariamente mulheres) que se deixam agredir, que sofrem a dor física e psicológica da agressão, mas frequentemente perdoam o agressor e chegam até a achar que é algo normal e a que têm de habituar-se.
A foto é esta.... aquela criança está a chorar e angustiada de verdade, aquele homem está mesmo a bater naquela mulher... a história por detrás desta imagem é verídica como já referi e explica em muito a maior parte dos casos de violência doméstica:


Toda a história.... aqui...

Há uma outra... comovente, e completamente contrária à anterior. Nesta foto os intervenientes não estão a discutir nem a agredir-se. Estão até abraçados um ao outro.... mas mortos, soterrados debaixo dos escombros do edifício onde trabalhavam.
Final Embrace foi tirada aquando da tragédia ocorrida no Bangladesh (um edifício onde coexistiam várias fábricas têxteis, e onde trabalhavam sem quaisquer condições de segurança mais de 3000 pessoas, colapsou. Matou mais de 1000 pessoas e levantou a polémica sobre a exploração laboral a nível mundial.)


Esta outra, está cada vez mais actual. Chaos in Central African Republic... estão a cometer-se atrocidades neste país (antiga colónia francesa). As lutas por território (muito rico em ouro, diamantes e urânio....) e as lutas religiosas (povo muçulmano e povo cristão) estão a dizimar a população. Foram recentemente descobertas valas comuns, há milhares de pessoas que já fugiram das suas casas com medo de serem mortos, mas ao mesmo tempo não têm para onde ir nem o que comer. As casas estão destruídas, há pessoas mortas ou a serem mortas a todo o momento na rua, e... é um salve-se quem puder...A situação é catastrófica, já se fala em genocídio e agora é que a comunidade internacional despertou para o assunto. Já estão lá tropas francesas e a ONU vai actuar.


E...para não ser tudo sobre más notícias e tragédias (embora o jornalismo e o fotojornalismo abordem mais esse campo.... porque é o que se está a passar... e é o que o mundo quer saber...), há também fotos mais "positivas", neste caso sobre os Bonobos - Our Unknown cousins. Vejam o olhar desta fêmea bonobo... e sintam que... ela também sente, que tem espírito presente....conseguem sentir isso também? Eu sim. E penso que este é um caminho para a evolução espiritual da espécie humana: o respeito absoluto por todos os outros seres que co-habitam connosco o planeta Terra. Não somos mais nem menos do que eles. A inteligência de nada vale se for usada para fins diferentes da reunião, amor e paz.


E.... também há fotos sobre uma ilha (Utrish) algures no mar negro para onde se deslocam milhares de nudistas (maioritariamente russos e ucranianos) que para alí vão passar uns tempos... em modo Tarzan e Jane! Ora vejam só:
(cheira-me que esta ilhota vai tornar-se no top de destinos turísticos... masculinos...LOLOLOL)


E.... vejam todas as fotos a concurso. Valem a pena! Estão aqui!

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Às vezes no silêncio da noite

Caetano Veloso - Sozinho

Às vezes no silêncio da noite fico ali a pensar no que foi, em como foi, no que é e no que poderia ter sido ou vir a ser. Tento juntar o passado com o presente e o futuro numa ânsia de cronometrar os acontecimentos e descobrir a ligação entre eles que os justifique, mas não consigo encontrar essa chave. Foi uma corrente de sentimentos, emoções e sensações. Ao longo do tempo. E é inevitável que surja uma certa tristeza e até angústia. A perda é o mais pesado dos ensinamentos. Ao mesmo tempo que te chicoteia pela dor psicológica e física que sentes, obriga-te a aceitá-la porque nada podes fazer para mudá-la.
Quando um não quer, dois, de facto, não dançam.

Fofuras... bom fim-de-semana!


Sempre amei fotografias a preto e branco. São mais simples, mais básicas. Têm o essencial e apenas isso. Paradoxalmente então considero que conseguem muito mais fielmente reproduzir a realidade (que como sabemos é a cores!) e conseguem de facto dar uma aura mais especial ao momento, a emoção, a circunstância aquando do respectivo "click". Não que as fotografias a cores não o consigam, mas estas para mim têm um encanto especial! Não sei explicar!

Acho estas duas meninas duas autênticas fofuras ;) pela cumplicidade, ingenuidade e alegria que transmitem.

Bom fim-de-semana! Beijinhos

Atão pois!



Se mudarmos então, pelo menos, que seja para melhor! Que consigamos perceber os nossos erros e tentemos arranjar forma de os resolver ou não voltarmos a cair neles! 

Romantismo bipolar

Hoje (bem... como já passa da meia-noite já foi ontem!), caso não se tenham apercebido (o que, convenhamos, é praticamente impossível, dado o bombardeamento de corações e material fofinho em todos os lados) é Dia dos Namorados ou Dia de São Valentim (que, caso também não saibam, diz que foi um bispo romano que celebrou inúmeros casamentos à revelia do imperador Cláudio II - que queria que os jovens se alistassem facilmente e se concentrassem apenas no exército e portanto proibiu os casamentos - e que quando foi descoberto foi... decapitado a 14 de Fevereiro de 270. Sim, leram bem. Portanto esta data assinala a decapitação do protector dos namorados. Não sei se sou só eu que por norma sou do contra, mas já que o objectivo era celebrar e glorificar a vida do referido bispo porque não fazê-lo na data do seu nascimento e porquê na data da sua horrível morte?!)
O que é certo é que quem liga a esta data e cumpre os rituais todos de acasalamento enamoramento dificilmente conseguirá escapar mental e completamente são no final do dia, depois do frenesim e das filas  e dos preços inflacionados para as flores, os chocolates, os bilhetes, o jantar, e as velas etc etc etc. É toda uma lista de tarefas obrigatórias! E os que não ligam, têm que, quer queiram quer não, obrigatoriamente chegar ao final do dia e darem por si a pensarem no assunto. Portanto, não há escapatória. De todos os lados a ofensiva de estandarte "coraçõezinhos" avança destemida e não há trincheira nem escudo que nos proteja de uma coisa destas. Basicamente, tire o cavalinho da chuva quem, com ou sem namorado, quiser ignorar esta data e ter um dia completamente normal. Sim, porque na minha opinião este deveria ser um dia completamente normal. O normal, idealmente, seria que todos os dias houvessem os gestos, o carinho e a paixão que tanto publicitam serem obrigatórios para o dia dos namorados. Não... não têm de comprar-se flores nem chocolates nem escrever bilhetes nem ir jantar fora nem passar a noite num hotel. Tem que haver, isso sim, numa base diária, uma tal cumplicidade e vontade mútua e contínua de estar com o outro, de partilhar, de surpreender, de agradar, de... se estar bem. Isso é que é bonito e isso é que se devia celebrar. O conseguir manter um amor a caminhar (ia colocar a andar....mas é mais caminhar pois este último significa andar mas com um objectivo...) todo o dia, todos os dias. 
Se ligo ao dia dos namorados?!
Não, e sim. Sim, e não.
Passo a explicar: acho a maior parte das coisas associadas a este dia uma foleirice pegada e sem sentido (como por exemplo o ir jantar a um sítio apinhado de outros casais, onde não se consegue ter privacidade e intimidade que ao fim ao cabo seria, ou deveria ser, o propósito essencial da ocasião! Prefiro mil vezes qualquer coisa especial, sim, mas mais íntima e privada. Até pode ser em casa! Fazer-se um jantar especial, acender-se uma vela, beber-se um bom vinho, criar um ambiente envolvente! Porque o que interessa é estar com a outra pessoa. Ninguém precisa de ver isso, nem nós precisamos mostrar isso a ninguém...). 
E sim, porque todos os momentos em que tentamos surpreender o outro, com pormenores aqui e ali, tornando um simples jantar especial, fazer uma receita nova, pensar num convite para fazer algo diferente e a dois são sempre injecções de boa energia na relação e no amor que sentimos. E isso só o pode fazer crescer.
É muito fácil falar, eu sei. O difícil é pôr em prática todas estas boas intenções... das quais, como sabemos, está o inferno cheio!

Como foi o vosso dia dos namorados?
O meu foi... como dizer.... hummmm... muito resumidamente, e como diria um famoso comediante da nossa sociedade... uma bela merda! Yap! Acontece! Porquê? Por tudo, e por nada...

Feliz dia (dos namorados ou não) para vocês! ;) Desejo que não precisem de um dia dos namorados para... namorarem... va benne?!

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Mais um texto genial do Ricardo Araújo Pereira...

... neste caso sobre as praxes! Ui Ui!!! Nada mais nada menos do que o tema quente da actualidade no país!

Ricardo Araújo Pereira (in revista Visão, 6/2/2014)

Tenha a bondade de me amesquinhar, por favor

"Quero poder ir a um talho e ouvir, da boca do talhante: 'O sr. da senha 28 nunca cá veio, pois não? Então tire as calças porque vai simular que está a fazer amor com este lombo de vitela, enquanto o resto dos clientes o insultam'.
Quando entrei na universidade era um jovem assustado. Não conhecia a casa, nem os métodos de trabalho, nem os colegas. Havia muitas diferenças em relação ao liceu. Não havia campo de futebol no pátio. Não havia pátio. Eu precisava, como é evidente, de me integrar. Mas os meus colegas, com uma crueldade que ainda hoje, passados tantos anos, não esqueço, tinham outros planos. Tudo começou nos primeiros dias. Abordei um estudante mais velho e perguntei-lhe: "Podes dizer-me onde fica a biblioteca, por favor?" Espero que ele esteja a ler este texto e se envergonhe do sofrimento que me infligiu. Respondeu-me: "É ali em frente, à direita." Fui ver e era mesmo. Em vez de me esfregar com excrementos de animais ou de me obrigar a rastejar, aquele idiota tinha-me fornecido uma informação correcta, como se eu fosse uma pessoa igual a ele. Eu estava disposto a tolerar que ele não quisesse escrever-me na testa a palavra "Besta", até pelo que isso teria de pleonástico, mas não podia admitir que me privasse de uma enriquecedora experiência de vida, tratando-me como se eu fosse mesmo um ser humano.

Fui atrás dele e não me contive. Sempre foi muito difícil para mim lidar com a maldade e a injustiça. Disse-lhe que a conduta dele era vergonhosa. Que, se eu não fosse humilhado em público, teria muito menos hipóteses de me sentir parte daquela comunidade. Que precisava de conviver, para facilitar a minha integração, e que nenhum convívio saudável e pleno dispensa a aplicação de ovos e farinha no cabelo. Ele fugiu e passou o resto do curso a evitar-me. Mas eu ainda hoje o reconheceria, se o visse.

Sonho com uma sociedade de tal modo solidária e ansiosa por integrar toda a gente que este tipo de prática se torna comum, não apenas na primeira vez que se vai à universidade, mas na primeira vez que se vai a qualquer lado. Quero poder ir a um talho e ouvir, da boca do talhante: "O sr. da senha 28 nunca cá veio,pois não? Então tire as calças porque vai simular que está a fazer amor com este lombo de vitela, enquanto o resto dos clientes o insultam."

Este é um tema ao qual sou especialmente sensível, e sempre que reflicto sobre ele preciso mesmo de relaxar e de me sentir mais à vontade. É o caso, agora. Vou pedir a alguém que me obrigue a andar na rua vestido apenas com uma fralda e todo besuntado em graxa, a ver se descontraio."

Oh pa... seja qual for a vossa opinião relativamente ao assunto das praxes (ou até mesmo que não tenham opinião formada!), acho que este texto está... genial!! :D

Hoje andei a cantarolar isto


Adriana Calcanhoto - E o mundo não se acabou

Esta música tem uma letra TÃO gira e divertida. Adoro. E já a cantarolo há muitos anos. 

Quem se lembra do que se falava aquando da passagem do ano 1999 para 2000? Falava-se em bug do ano 2000, que todos os computadores iam avariar-se ou tornar-se inúteis, falava-se em profecias... e que o mundo ia acabar! Pois bem... boas e más notícias! O mundo não se acabou meus senhores! E quem pintou a manta à conta disso agora tem de se remendar!! Oiçam bem a letra ;))) é mesmo muito gira!

E já agora. Não a cantarolei hoje, mas é uma música, também da Adriana Calcanhoto, de que gosto bastante. Esta música é mais introspectiva e não tão divertida, mas igualmente interessante! Oiçam também esta e prestem atenção à letra... o que andamos nós cá a fazer?!?!
Tudo na vida é uma questão de perspectiva (daí o nome que dei a este blog!!). Tudo, mas tudo mesmo, depende da forma como olhamos para as coisas, dos nossos filtros... dos nossos esquadros individuais e pessoais.

Adriana Calcanhoto - Esquadros

Leituras - "Licença para Sonhar"

de Pat Brady. 1997.


Já tinha lido do mesmo autor a BD "She's a Momma, not a Movie Star e da mesma colecção (La Vie en Rose), mas gostei mais deste do que o anterior. Não sei explicar... apenas me ri muito mais vezes! O que mais gosto nas tiras deste autor é que ele transforma rotinas diárias e pequenas (ou apenas somos nós que não lhes damos a devida atenção atenção!) situações do dia-a-dia de uma família normal e faz-nos rir por caricaturar tão bem esses momentos, de tal forma que por vezes nos deixa a pensar em coisas que usualmente nem pensamos. Em coisas banais, ou que achamos que são apenas parvoíces... mas que no final de contas significam muito naquilo que compõe os nossos dias, a nossa vida, e a nossa felicidade! E por outro lado há tiras da BD que funcionam também quase como terapia, mas em vez de ser a rir é a de simplesmente relaxar. Há certas atitudes que às vezes tomamos e depois nos arrependemos ou perguntamos porque é que é assim, porque é que amuamos, porque é que temos defeitos, porque é que bla bla bla.... e a verdade é que toda a gente passa por isso. Há milhões de outras pessoas a passar pelo mesmo tipo de situações e saber disso traz-nos serenidade....como que a respirar fundo e pensar...ok, não sou a única ufa!
Partilho aqui convosco algumas tiras ;)


Eu acho que ele (sim, o bebé!) tem toda a razão!! É realmente uma daquelas observações super pertinentes que as crianças às vezes fazem! ;)


 Duas pessoas que se amam e geram um filho. Acho que esta tira acima representa isso muito bem. O filho é nada mais nada menos do que uma mescla perfeita da mãe e do pai.



Eu às vezes também penso se o meu gato pensará. E acho que se pensar, quando lhe estou a dar festas e quando me salta para o colo para se aninhar e dormir... muito provavelmente ele acha que me está a fazer um favor e não o contrário!!! LOL


 Ooops... revejo-me tanto nesta! Às vezes quando estou chateada também activo o meu "anti-abraço" e "anti-pazes", bem basicamente amuo à grande!!... mas depois passa :)


 Uma grande lição sobre: Como aprender a gostar do seu parceiro tal qual ele é. Mesmo que ele seja um desgovernado que deixe sempre as luzes acesas... Não é fácil!!!


Já imaginaram como seria se fôssemos minúsculos e fôssemos nós a viver dentro de um aquário e volta e meia tivéssemos peixes gigantes e medonhos a observarem-nos?! Deve ser assustador! Bem.... é assim que os nossos queridos peixinhos se devem sentir e por isso é que se escondem tanto!!

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Fofuras... boa semana!


Votos de uma semana calminha para todos. O tempo vai estar muito mau, ventos e chuva forte, por isso desejo-vos uma semana em que, se possível, gozem o conforto dos vossos lares, junto de quem gostam, com muito amor e carinho. 
Beijinhos!

Alerta vermelho em quase todo o país = se possível ficar quietinho em casa!

A natureza anda a dar de si.
Este Inverno têm havido condições diferentes dos anos passados. A natureza anda cada vez mais furiosa. Ventos mais fortes (130 km/h!!!!!), marés vivas, chuva constante, frio intenso, furacões, etc.

Dilúvio?! Eh pa.... quase! :/

Alterações climáticas

Muito interessante e completo - sobre as alterações climáticas

Esta música é tão bonita!!

Ed Sheeran - I See Fire (The Hobbit Soundtrack)

Não vi nenhum dos filmes do The Hobbit. Já viram? Valem a pena?

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Bom fim-de-semana!

Qual a diferença entre o espelho e o homem?

O espelho reflecte sem falar. 
O homem (às vezes) fala sem reflectir!

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Fofuras... estou aqui!

Um carinho, um sorriso, um gesto, uma festa, um olhar, um abraço = preocupações, cansaço e medos infundados que se esfumam!

Só solidão, mais nada!


Se tenho medo de morrer? Sim. Mas de morrer em ou para a vida, não de morrer na vida. Se morresse a coisa de que mais sentiria falta seria... de continuar a viver. De que vale a pena uma existência sem objectivos, sentimentos e sensações? De nada, como é óbvio. Muitas vezes lembro-me de coisas muito mas muito piores do que a morte... tais como alzheimer, perda de um ou vários sentidos e faculdades, dependência física e emocional, dependência de vícios, distúrbios mentais....e isso sim é coisa que considero morrer em vida. É esse arrastar, esse peso. É mil vezes pior do que simplesmente deixar de existir e soltar um último suspiro.
Tal como a solidão. É talvez a pior tortura. Não haverá nada pior do que sentirmo-nos sós estando rodeados de gente. 
Pensamentos um tanto obscuros eu sei... mas justificados por um dia longo, cansativo e introspectivo. 
Cada vez mais me apercebo de que quanto menos falo melhor vejo, melhor penso, sinto e melhor percebo. E quanto mais percebo, mais longe quero estar. O preço? .... Solidão. Mas um sentir sozinha, não só.


sábado, 1 de fevereiro de 2014

True


Perguntas sem resposta... falando de amor.

Há perguntas para quais nunca teremos uma resposta única e certa. Não são por isso problemas... diz a Ciência Matemática que estes só existem se existir solução. O que são então?! Pois... também não tenho resposta para essa pergunta acerca daquela outra pergunta!

Introduzi de propósito a Ciência Matemática nesta abordagem. Como poderia ter introduzido qualquer outra ciência, desde que abstracta ou racional. Porque não é comum falar-se de amor de forma racional. O amor, dizem-nos (ou subentende-se), que só tem a ver com as coisas do coração. Que não se explica, nem se demonstra através de nenhuma fórmula certa. Será? Será que não podemos pensar sobre o amor? E fazer perguntas?

Como nasce o amor entre duas pessoas? Nasce ao primeiro impacto, ou é fruto da evolução de outros estadios como a atracção, o carinho e a amizade? Em que momento crucial se decide que uma pessoa ame outra? Porque é que sentimos esse tipo de ligação com umas pessoas e não com outras? O que aproxima e o que afasta as pessoas? O que dita a atracção entre elas? A amizade é essencial no amor ou não? E em que fase do amor? Qual o amor mais verdadeiro e duradouro tendo em conta a forma como começa? E será que efectivamente interessa para alguma coisa a forma como cada amor começa?...

O amor verdadeiro é intenso ou sereno? Ou é ambas as coisas numa mágica e indecifrável conjugação temporal e física? O que é isso de amor verdadeiro? Podemos ter mais do que um na vida? No amor verdadeiro a paixão mantém-se sempre acesa? O amor está sujeito ao desgaste? De quem é a responsabilidade do desgaste ou do fim de um amor? As coisas acontecem porque têm de acontecer ou são da nossa inteira responsabilidade? Um amor verdadeiro terá mesmo fim? Ou será que nunca acaba, podendo apenas mudar a sua forma de existir? E se o amor entre duas pessoas terminar, não pode continuar a amizade e o elo que têm essas pessoas entre si? Isso é impossível? Porquê? O que se sente no fim de um amor? Alívio ou medo? Como ficam duas pessoas que partilharam amor entre elas e deixam de fazê-lo? Afastam-se e evitam-se ou encaram-se e aceitam o seu novo estadio em comum? Como se cumprimentam se se encontrarem na rua, e o que sentem? Porque é que há pessoas que o conseguem fazer facilmente e outras não? Não seria amor naqueles casos? Será que mesmo depois de um relacionamento terminar,e passado muito tempo, as pessoas continuam a pensar na outra? Continuam a preocupar-se com a outra? E se a outra morrer, de repente? Ou lhe acontecer alguma coisa de mal? Vamos a fugir ter ao seu encontro ou deixamo-nos ficar no nosso canto por respeito à sua nova vida ou a preceitos que nos impingem que temos de respeitar? E se formos a fugir ter ao seu encontro? Isso é amor ou amizade? E se virmos a outra pessoa com alguém? Vamos sentir ciúmes, curiosidade ou normalidade? O amor é complicado? Ou... se for complicado não é amor?!
O amor sempre flui? O amor é sempre natural? O amor...

O amor não se procura, encontra-se. 
Diz-se que sim. Quem sabe, talvez seja o amor que nos encontre a nós! E nós não podemos fazer nada, seguindo inconscientemente um caminho que ele próprio designou para nós. 
Uma coisa é certa, o amor é a força mais sábia, unificadora, catalisadora, intensa e resiliente da nossa existência. 
E assim, o que tiver de ser, será!

Fofuras... Dreaming is never enough!

 

Bom fim-de-semana! Sonhem, voem, dancem e sorriam MUITO!
Beijinhos ;)

Musiquinhas que adoro - Soul & Country

Amo estas músicas. Deixam-me feliz, com vontade de começar a mexer os ombros, a cintura, os joelhos, os pés.... sim pronto... dão-me vontade de dançar!!! :D Um dançar descontraído de sorriso no rosto... ;)

Bring it on home - Sam Cooke

Your Man - Josh Turner

Presidentes no seu melhor - Hummmm... Suspicious!

1 - Alguém me faz um desenhito para que eu consiga perceber como é que esta criatura:
(que dizem que é o Presidente da Republica Francesa - François Hollande, encantou três (sim TRÊS!!) mulheres lindíssimas, interessantes e inteligentes?! (Ségolene Royal, Valerie Trierweiler e Julie Gayet) Alguém consegue explicar isto?!


É que para além do facto de ser presidente não lhe consigo encontrar explicações para tamanha (quem sabe se não será por aí!!! ahahahah) atracção! 

Hummmm

2 - Num momento de autêntica guerra civil na Ucrânia, com o primeiro-ministro a ter-se entretanto (e após muita resistência) demitido, o país está num autêntico caos, e o Presidente Viktor Yanukovich apresentou há dias uma baixa médica por tempo indeterminado (!!!!) devido a problemas respiratórios. Não sei que tipo de pátrida faz uma destas numa altura destas à sua... Pátria. Obviamente que, se o senhor está doente e não tem condições para exercer o cargo já se devia ter retirado. Num cargo destes, numa altura de revolução em que a Ucrânia está, não se pode simplesmente assobiar para o ar como se nada se estivesse a passar e continuar a ser o Presidente do país, mas sem sê-lo. Demasiado fácil e simples para o que foi designado. Devia ter sido substituído pois agora mais do que nunca o país precisa de ser orientado. Cheira-me que o senhor presidente não sofre apenas da infecção respiratória mas sim de um agudo sentido de oportunidade e devia ter os tomates de resignar ao cargo e deixar que alguém faça o que ele não faz. Pelo seu próprio país!

Notícia - aqui

Hummmm
3 - Queria falar do nosso Presidente. Diz que temos um senhor que está no cargo. Mas não encontro mesmo nada para falar. Não há nada feito nem por fazer. Num brumoso estado de apatia e estagnação, não há nada para falar... nem de bom nem de mau. O que é muito mau sinal!! E.... já cheira mal!! Adivinhem lá porquê... !!

Hummmm