sexta-feira, 25 de maio de 2007



Curso em Arraiolos. Não só novos conhecimentos como muitos e bons momentos.

Pessoal genial... :)

Só a magana da pinhole é que nos ia dando cabo do juízo, mas afinal resultou bem. Já podemos dizer àquelas pessoas que nos olhavam de forma esquisita, com as caixas de um lado para o outro, a contemplar a paisagem, a medir a luz , a contar segundos, e a enquadrar tudo e mais alguma coisa...que eram só fotografias, à maneira antiga, ta bem?! Houve um senhor que num desses dias tomou coragem e me perguntou muito desconfiado, com a sobrancelha erguida, o que andava eu a fazer com a aquela caixa... Depois de saber, pediu-me que lhe tirasse uma fotografia...Eu sorri...ok, pensei...vamos a isso! Posou, sentado, de pernas cruzadas e sorriu. E assim permaneceu imóvel durante 12 segundos... Eu só não tive tempo foi para lhe explicar que estas fotografias primeiro "saíam" assim diferentes do que ele estava a pensar...mas... não lhe quis tirar o prazer e o contentamento de posar e de ser fotografado naquele momento. A foto não ficou boa, mas ele ficou tão contente, que isso agora é irrelevante.

segunda-feira, 14 de maio de 2007




O louva-deus é um insecto oriundo de climas quentes e tropicais. Um predador paciente, que caça
de emboscada por facilmente se camuflar com a vegetação. Alimenta-se de presas vivas...muitas vezes do próprio parceiro!
Costumam ficar horas à espera da vítima, com as patas dianteiras erguidas. Como se estivessem a orar.
Os gregos antigos acreditavam que esta espécie tinha poderes sobrenaturais, e na China, alguns estilos de Kung Fu basearam-se nos seus movimentos.

Cá no Alentejo também são sagrados e sinal de boa sorte. O melhor é deixá-los mesmo
em paz porque se algum dia se inverterem os papéis ou os tamanhos...só resta mesmo orarmos!
E ainda assim, já há por aí tanta gente a orar. À espera de um momento certo para atacar...

quarta-feira, 2 de maio de 2007




"Quando começo a cantar,
eu bem quisera agradar.
Mas nem sempre sou capaz.
Só quando o coração canta,
é que a minha pobre garganta
faz o que nem sempre faz."
.... um verso de António Aleixo

A maior parte das coisas, incluindo a fotografia, só têm brilho se tiverem sido feitas com amor.
Esta era uma simples e pequena flor, quase incógnita no meio de um jardim abandonado, e no entanto estava lá, e tinha um "brilho" demasiado especial para não ser captado. Ainda que tenha sido só uma simples e pequena tentativa. Cá está ela.