terça-feira, 30 de outubro de 2012

Grândola, Vila Morena

Engraçado... nunca me tinha lembrado de pesquisar o porquê desta música do intemporal, inestimável e inolvidável Zeca Afonso se ter tornado no hino da liberdade contra o regime de opressão Salazarista,  no fim da ditadura, no início da democracia.... em Abril de 1974. De facto parece ter sido um pouco antes que tudo começou, em Março de 1974 num espectáculo no Coliseu dos Recreios, em que uma plateia de sete mil pessoas se uniu numa manifestação espontânea e cantou em uníssono com Zeca Afonso esta canção, num momento mágico e determinante, que deu às pessoas a esperança de que a união as libertasse da opressão em que viviam e que o povo se fizesse ouvir. Soube dessa história aqui (blog On Second Thought) e quero partilhá-la porque é mesmo muito especial.

"...O som era avassalador, uma música simples, uma letra que todos sabiam, sete mil peitos em riste…"

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Rir recomenda-se... Pensamento profundíssimo do dia.

Momento reflectivo (ou reflexivo) (!) (continuo sem perceber qual a eficiência de terem inventado mais do que uma palavra para designar a mesma coisa...enfim...gente complicada...) ou simplesmente profundo e maduro.... do dia!

" Cheguei  à conclusão que o Google é mulher.

 Ainda não terminámos a frase e já está a dar palpites!"

Hum hum... isto é verdade? Acham que sim? Será porque as mulheres são tal qual um motor de busca?  Daqueles com rápido processamento e um gigantesco armazém de dados e informação? Será porque é a elas que os homens recorrem quando precisam de saber algo? Maybe... Há tantas perspectivas (ou prismas) sobre os quais podemos ver um mesmo assunto... E assim o que começou por ser uma inocente (not) afirmação sobre a capacidade que as mulheres têm de tentar adivinhar as coisas ou talvez a sua indisfarçável falta de paciência... transformou-se numa reflexão feminista... o que no meu entender também não é bom. Bom bom é a gente ter mais do que uma palavra para dizer a mesma coisa porque isso afinal quer dizer que temos o poder de escolher, e é rirmo-nos das coisas... mesmo que essas coisas ... sejamos nós!  ;) E sermos parvos (ou palhaços) no geral... porque a parvoíce faz bem à mente, alimenta a imaginação (ou a criatividade), faz rir,  aumenta as endorfinas e induz-nos num bem-estar a custo zero... desde que não seja em demasia... obviously!

Mas e... o Google tem sexo (ou género) ou não?!

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Momentos de Mudança SIC - Viver com o VIH


No passado dia 22 de Outubro passou na SIC, no âmbito da série documental Momentos de Mudança, uma reportagem sobre uma rapariga (Alexandra Delgado) que relata na primeira pessoa como é ser portadora do Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) desde que nasceu até agora com 19 anos. Essa rapariga é alentejana, de Selmes, e penso que ninguém ficou indiferente a este relato de coragem, em que a Alexandra fala da descriminação e preconceito que ela e os pais têm sofrido, das dúvidas quanto ao futuro mas simultaneamente é uma mensagem de esperança porque não obstante todas as dificuldades ela tenta ser uma jovem completamente normal. A sua maneira de ser e a força que demonstra são uma inspiração.
Na reportagem, a Alexandra disse que ambos os pais estão desempregados. Recebem cerca de 300 euros mensais e portanto vivem de forma… a tentar sobreviver, não costumam comer peixe porque é muito caro, não bebem sumos porque isso é um luxo, e as refeições são à base de frango e dos produtos que conseguem produzir em casa.
Já houve quem se tivesse oferecido para pagar as vacinas e os óculos que a Alexandra disse que precisava mas não tinha dinheiro para pagar. De qualquer forma ela continuará a ter muitas despesas até porque acabou de ingressar no ensino superior (livros, alimentação, transportes, etc.) e penso que todos gostaríamos de ajudá-la a ter uma vida mais normal.

Por isso para quem quiser ajudar a Alexandra e os seus pais já foram disponibilizados os seus NIB. Aqui estão eles:

NIB CONTA ALEXANDRA DELGADO: 0018 0003 3177 3666 02082
(Alexandra Delgado)
NIB CONTA PAIS ALEXANDRA NIB: 0018 0000 4075 5083 00138 
(António Delgado – Santander TOTTA)

domingo, 21 de outubro de 2012

She's a Momma, Not a Movie Star

E vai mais um... Livros de banda desenhada que despacho de forma supersónica... porque ADORO!!

Agora foi a vez do "Ela é uma Mamã, Não é uma Estrela de Cinema" (de Pat Brady, 1996), que trata de coisas e situações do dia-a-dia de uma família, de um casal, neste caso com uma criança. Fala das discussões habituais que surgem entre as pessoas que vivem juntas, fala de como o amor e o romantismo podem surgir nos momentos mais inesperados e qual bote salva-vidas desafogar uma relação da rotina, fala dos atritos entre as crianças, do puxa empurra e do "isto é meu!", fala das maravilhosas e por vezes difíceis perguntas que as crianças fazem aos adultos....e no final de contas são elas, as crianças que dão as melhores respostas. Aqui a criança não tem apenas a ver com a idade. Isto porque cada adulto não é mais do que uma criança que cresceu. E eu amo essa ideia. Olhar para as pessoas e ver a criança que há nelas porque essa é a percepção mais verdadeira que teremos delas.

Aqui ficam alguns deliciosos recuerdos desses momentos:







quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Pronto... ta bem!


Há muita gente para quem dizer que vê a casa dos segredos ou o big brother ou a quinta não sei das quantas  até parece mal e é uma vergonha mas sinceramente não vejo qual o mal disso quando afinal de contas cerca de 3/4 dos programas que as TV nacionais actualmente passam não são nem melhores nem piores. Antes não via mas agora estou a seguir esta casa dos segredos. O formato e o jogo em si são muito interessantes, e acho até que testam limites emocionais, físicos e psicológicos do ser humano. É giro ver como é que as pessoas reagem numa condição anormal daquelas, fechados 24h sobre 24h numa casa com as mesmas pessoas, algumas conhecidas outras não. Aquilo é uma espécie de gaiola com ratinhos que se utilizam para procedimentos experimentais, só que estes ratinhos são conscientemente voluntários e é tudo legal e até à vista ético também. Óbvio que são pessoas escolhidas para aquilo e não sabemos até que ponto são exactamente o que transmitem mas as capas não duram sempre e é em pequenos gestos e detalhes que o verdadeiro íntimo se revela. Lá na casa e cá fora também, na vida real. 
Gosto de ver, gosto de saber quem fez o quê, porquê, quem é que já anda com quem, e gosto de tentar adivinhar quem vai sair...e sim também me farto de rir com as parvoíces deles. E gosto imenso dos jogos que têm de fazer, de algumas missões, e daquelas reuniões em que falam sobre si e dos outros para os outros e onde discutem abertamente os assuntos que os incomodam. Promove a comunicação e isso é bom.
Não tenho preferidos. Vou-os vendo e analisando. Umas semanas gosto mais de uns, outras de outros, conforme as suas atitudes e o que vão revelando. 

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Rir recomenda-se... mais e mais e mais!

Ora aqui vai uma linda história sobre tubarões (pois... realmente tubarões e linda história não têm muito a ver mas avante...), uma profunda reflexão sobre relações entre pais e filhos, sobre os ensinamentos que se transmitem entre gerações... e sobre... culinária "tubaranesca"! Recebi isto por e-mail e praticamente escaqueirei-me (que  bonita palavra não é? Do verbo escaqueirar: quebrar, fazer em cacos ou fanicos...) a rir. Espero que aconteça o mesmo convosco.

TUBARÃO GOURMET
Dois enormes tubarões brancos observavam os sobreviventes de um naufrágio de um barco que transportava políticos.

- Segue-me filho, disse o tubarão pai para o filho.
E nadaram até aos náufragos.
- Primeiro vamos nadar à volta deles apenas com a ponta das nossas barbatanas a aparecer fora da água.

E assim fizeram.
- Muito bem meu filho! Agora vamos nadar em redor deles algumas vezes com as nossas barbatanas todas de fora.

E assim fizeram.
- Agora podemos comê-los a todos!

E assim fizeram. Quando finalmente se saciaram, o filho perguntou:
- Pai, por que é que nós não os comemos logo de início? Por que é que ficámos a nadar em redor deles várias vezes?

O sábio e experiente pai respondeu então:

- Porque ficam muito mais saborosos sem merda lá dentro...



E pronto eu ri-me à mesma mais uma vez... Só me continuo é a perguntar por que raio tinham de ser náufragos políticos?? Dada a moral da história não precisam ser políticos nem coisa mais nenhuma, apenas seres humanos. De qualquer  forma, e dada a actual situação de CRISE política (!!!), vamos desculpar o sujeito que acrescentou esse ponto a este conto. ;) :D