segunda-feira, 17 de março de 2008


Beja (IP2) - Portugal - Março 2008
Palavras para quê?!
O Alentejo às vezes faz destas...obriga-nos a fazer paragens repentinas a meio de viagens só para que o adoremos. E valeu a pena...
Palavras para nada.
Não digas nada, sente apenas.
A imensidão que tens à frente,
Colocando-te no teu devido lugar.

terça-feira, 4 de março de 2008


Albufeira (Marina) - Portugal - Janeiro/2008

A cor não tem existência material. Consiste apenas numa sensação provocada pela acção da luz sobre o orgão da visão. Apenas...e no entanto é algo tão importante.
O estímulo que provoca aquela sensação pode ser Cor-luz ou Cor-pigmento, consoante seja radiação luminosa ou luz colorida, cuja síntese aditiva é a luz branca, ou seja qualquer substância material que conforme a sua natureza absorve, refracta e reflecte os raios luminosos componentes da luz (onda electromagnética) que incide sobre si.
Não consigo imaginar o mundo sem cor. Não só por nos ajudar a conhecer e compreender o meio que nos rodeia, e estabelecermos bases concretas, mas principalmente na importância que tem sobre a nossa mente. Para além de exteriorizar melhor que palavras os pensamentos ou sentimentos mais abstractos, ela tem também um forte efeito (por vezes terapêutico) ao actuar directamente sobre o nosso (in)consciente. Como uma espécie de catarse do espírito. Muitas vezes não nos apercebemos, e muita gente já deve ter ouvido falar que a cor tal significa o que quer que seja, mas a verdade é que a cor, vestida, usada, escolhida, lembrada, carregada, adorada, apercebida e sentida diz muito sobre nós.
Já agora sugiro uma espreitadela ao site http://www.mariaclaudiacortes.com/ "An Animated and Interactive Experience of Color Communication and Color Symbolism", resultado de uma tese da autora Claudia Cortés sobre a Cor. Tem uma forma divertida de aprender os simbolismos das cores.

Qual a tua cor preferida? E porquê?