quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Desejo para 2015


Desejos para 2015:

Ir ao Oriente e tirar fotos tipo esta! :)

Desabafos pós-natalícios e pré-reveillon

Sou só eu que acha que há aqui alguma dose de loucura exacerbada e estupidez nesta altura do ano? Não sei o que é que paira no ar mas as pessoas parecem andar em transe. De repente, toda a gente anda eléctrica nas compras, "jogam-se" às prateleiras dos supermercados como se soubessem que o mundo ia terminar amanhã (e se terminasse...bem... talvez não precisemos de comprar mais coisas certo!?) ou se a promoção x fosse acabar ou como se os-outros-levam-tudo-e-não-deixam-nada. É uma doidice. As coisas esgotam nas lojas num instante! Não há dinheiro. A crise, bla bla bla. Mas as lojas estão cheias. E cheias não apenas de pessoas! Mas de pessoas loucas por comprar, que desejam ter tudo e só não levam o que não podem! Bem... às vezes levam também o que não podem!

É este consumismo desenfreado. De uma forma ou de outra somos todos levados a crer que felicidade e que um Natal Feliz é um Natal com muitas prendas, muita comida, muita gente, muito tudo. Nem sei como se sentirão as pessoas que, por uma razão ou por outra, vivam sozinhas, não tenham família, e/ou sejam pobres e não tenham possibilidade de ter uma mesa como as que toda a gente faz questão de anunciar e publicar nos facebooks e afins. Chega a ser irónico. E um pouco maquiavélico (vulgo, nada natalício!).

Todos têm uma ânsia enorme de ter, e ter, e ter mais coisas e mais comida e mais tudo, e publicar tudo isso, como se estivessem a exibir condecorações, investidos por um espírito dito "natalício", mas que de natalício e de paz e de comunhão tem muito pouco, ou nada.

Eu também faço algumas dessas coisas, porque, de alguma forma, também sou levada na corrente. Mas apercebo-me do quão estúpido isso pode ser. 

Por exemplo, já repararam na quantidade de lixo que o Natal traz? Com tanta prenda, tanto papel de embrulho e lacinhos, e caixas de brinquedos (tantos que as crianças às vezes já nem lhes ligam muito!) e outras merdinhas (!!!)... as ruas ficam cheias de lixo. E é assim. Estamos todos contentinhos em casa, a comer, no quentinho, com as nossas famílias e com os presentes que recebemos... mas o outro lado disso são toneladas de lixo completamente desnecessário, por puro capricho, são toneladas de comida deitada fora porque nunca se conseguem comer todos os bolos e todos os doces e todos os sabe-se-lá-que-mais as pessoas tenham na mesa, e em simultaneo são imensas pessoas que não podem ter isso e para as quais o Natal é só mais um dia de sofrimento.

(é este o aspecto dos pontos de lixo na cidade. E aqui o lixo, mesmo não cabendo no contentor, está por ali perto. Mas também há muito mais lixo, a avulso, pelas ruas.)

E é desesperante ver também outra coisa. As pessoas não terem dinheiro para pagar as contas de casa, mas andarem a fazer sacrifícios para nesta altura comprarem tablets e brinquedos caros afins. Porque, erradamente, as pessoas acreditam que ser feliz e mostrar amor é isso: receber e dar prendas caras, vistosas, faustosas, sumptuosas. Meanless...isn't it?!

Sou só eu que acha que isto, não está tudo, mas está errado nalgumas coisas?

E depois são os votos de Bom Ano. Pessoas que normalmente evitam falar ou cumprimentar, por antipatia ou outras razões, nesta altura do ano, andam com um sorriso parvo na cara a desejar bom ano a toda a gente. E depois são também são os mails no trabalho. Pessoas que contactam contigo todos os dias e todos os dias te desejam bom ano. (?!?!?!?!?)
Parece que está tudo parvo!
Eu também desejo Bom Ano a todos e que tenham saúde e felicidade... mas não ando para aí feita doida a gritar e a "despejar" Bons Anos béc béc béc, como se isso me desse algum crédito de felicidade para o ano vindouro. (Sim, porque aquilo que me apercebo é que, infelizmente, algumas pessoas fazem-no porque acham que assim se estão a "portar bem" e não precisamente por sentirem ou desejar aquilo aos outros!) As pessoas agem como se, sendo simpáticos e fofinhos nesta altura, então tudo de bom lhes vai acontecer. E o resto do ano? E se os votos forem desprovidos de verdade e de sentimento? Também valem?


Enfim.... olhem... vá... BOM ANO! (LOLOLOLOLOLOLOL)

Surrealidades do meu dia-a-dia #8

O telemóvel toca pela milésima vez esta semana. Número desconhecido/ não identificado. Atendo, por fim, já um bocadinho irritada pela insistência dos telefonemas. Era da minha operadora móvel.

Eu: 'Tou...
Ele: Olá, muito boa tarde! Estou a falar com a Sr.ª Ana Dinis? (sim, eles pensam que eu me chamo Dinis e eu também não me dou ao trabalho de corrigi-los...)
Eu: Sim, é a própria.
Ele: Como tem passado Sr.ª Ana? Tem passado bem?
Eu: (como se ele quisesse mesmo saber ou se isso lhe interessasse para alguma coisa!... não percebo este tipo de marketing vazio e falso mas avancemos) Sim, obrigada. Diga.
Ele: Sr.ª Ana, estivemos a analisar o montante que gasta com telefone durante o mês e achamos que deve mudar de tarifário. Propomos que adira ao tarifário que junta o telemóvel com o serviço de televisão em casa.
Eu: Muito obrigada por se terem dado ao trabalho de analisar os meus gastos e muito obrigada pela vossa proposta mas não estou interessada. Com licença.
Ele: Como assim, não está interessada?! A Sr.ª já tem algum serviço de televisão em sua casa?
Eu: Mais uma vez obrigada, sei que está a fazer o seu trabalho, mas eu já estou saturada dos vossos telefonemas. Por mais de uma vez já vos pedi que não me tornem a ligar. Se eu quiser algum serviço eu própria entro em contacto convosco. Agora, se me dá licença preciso terminar a chamada.
Ele: Mas.... mas... a sr.ª tem algum serviço em casa ou não?
Eu: Se eu tenho algum serviço em casa, ou não, é algo que só a mim me diz respeito e de momento não me está a apetecer partilhar isso consigo. (!!!já estava a ficar fula aqui!!!)
Ele: Claro Sr.ª Ana. Tem todo o direito.
Eu: Ok, muito obrigada. Agora por favor coloque aqui no vosso sistema que eu NÃO quero voltar a ser contactada novamente pela vossa empresa. OK?!
Ele: Isso não é possível. Se você não nos dá as informações que precisamos como é que quer que nós não voltemos a ligar para si?!
Eu: DESCULPE?!!? Será que o ouvi bem? (Saltou-me completamente a tampa!!!) Então eu agora sou obrigada a dar-vos informações da minha vida? E só assim é que me deixam de ligar?! Isso é chantagem sabia? E já agora, uma muito má abordagem ao cliente! Os vossos serviços até podem ser bons mas vocês são tão insistentes e chatos que eu evito-vos!
Ele: Pois, então já sabe que amanhã ou depois vão-lhe ligar outra vez...
FIM

Santa.... 
Paciência....


sábado, 27 de dezembro de 2014

Surrealidades do meu dia-a-dia #7

Parte I - A falta de electricidade e o técnico "chico-esperto"

Chegam a uma vossa casa de férias ou de família e reparam que não há electricidade. Sondam a vizinhança e percebem que são só vocês nessa situação. Decidem portanto procurar o número de telefone da empresa e averiguar a razão de vos ter sido cortada a luz. A empresa confirma a situação e simultaneamente pede desculpa, a referir que se tratou de um erro, o corte era para ter sido efectuado numa casa próxima da vossa, mas que vão já enviar um técnico para resolver o problema.

Técnico chega, após um tempo considerável, resolve a situação (repor electricidade na vossa casa) e pelo meio ainda atira umas boquinhas do tipo... "não pagam a luz depois querem milagres..". Enfim, nestas coisas é melhor nem responder, deixar a criatura resolver a merda (desculpem mas não há outra expressão melhor!) que tinha feito ao cortar a luz da casa errada da última vez que se tinha deslocado àquele sitio. Criatura não percebeu que nos percebemos que tinha sido ele a fazer merda da outra vez e agora estava ali a dizer graçolas. Mas ninguém lhe disse nada. Deixámo-lo fazer o seu trabalho e deixámo-lo abalar, a ele e a toda a sua enorme ridicularidade. Bem haja portanto, seja muito feliz na sua ignorância! :D

Parte II - Estar no sítio errado à hora errada (nada de novo para a minha pessoa!) LOL

Ao sair da localidade onde havera sido cortada a luz na nossa casa, por engano da empresa, mas situação já resolvida, eis que me deparo com com cabo em curto-circuito na rua. Era com cada clarão que a noite escura se iluminava de tal forma que parecia dia.

O que seria mais normal de fazer, tendo em conta o meu feitio e ainda por cima o facto de ter precisado de contactar a empresa da electricidade nesse mesmo dia e portanto ter o número no telefone? Bem... a maior parte das pessoas secalhar abalava e esquecia o assunto. Mas eu não. Aqui a parva, não fez mais nada... Liguei para a empresa a descrever a situação e a exigir que enviassem urgentemente alguém para resolver o problema pois tinha familiares a viver naquela rua e não ficava descansada nem de bem de consciência caso houvesse alguma tragédia (vulgo, incêndio!).
Equipa de técnicos chegou. Grande barafunda e confusão para encontrarem o local. Depois de encontrado... já a família da respectiva casa onde estava a ocorrer o clarão estava na rua a ver o que se passava... qual não é o espanto e melão (!!!) de todos quando os técnicos começaram a barafustar e a dizer que ainda bem que os tinham chamado porque agora iam ver quem é que tinha andado a roubar luz à empresa.... hã?!?!?! sim... acontece que aquele cabo estava ali colocado de forma ilegal, pela família que mora de um lado da rua e queria puxar electricidade para outra casa que têm do outro lado da rua.... 

Meu pensamento...."oh minha nossa senhora.... então agora em vez de se resolver a situação criei um problema gigante porque a família daquela casa está danada com a minha família a pensar que eu fiz uma denúncia à empresa em como eles estavam a roubar luz!!!"... Só a mim, mesmo. Merda outra vez! 

É o que eu digo. As coisas comigo começam de forma muito simples e ingénua e de repente transformam-.se em autênticos filmes!

Conclusão. Os técnicos não arranjaram o cabo, porque, para todos os efeitos não era responsabilidade da empresa, e levaram relatório do local e incidente a reportar puxada ilegal de electricidade. A família daquela casa ficou de prestar declarações e justificações à empresa, bem como resolver a situação.

Excusado será dizer que a família daquela casa ficou danada com a minha família, comigo, a achar que eu os tinha denunciado... quando, eu nunca sequer imaginei tal situação e quando chamei a empresa foi apenas e só para resolver o problema do curto-circuito que, em última análise seria em benefício de todos quantos moram naquela rua.

Aquela frase de "boas intenções está o Inferno cheio"... deve ter sido o que eles pensaram. Eu pensaria o mesmo... :(

Excusado será também dizer que fiquei danada comigo mesma por não conseguir passar ao lado destas coisas e ser sempre demasiado activa, no que faço e digo nestas situações. Se tivesse abalado dali, ignorando o curto-circuito, como talvez muitos fizeram antes de mim, não se teria gerado aquele enrolo e mal-entendido entre as famílias.

No dia seguinte liguei à senhora da casa "lesada". Pedi desculpa, e referi que não tinha a mais pequena ideia de que aquele cabo de electricidade era deles e que não estava em situação regular. Porque foi exactamente isto que aconteceu. Compreendo que da outra parte seja difícil acreditar.

A mim só me serve de consolo a consciência tranquila.

As relações entre as famílias, outrora de cordialidade e amizade, nunca mais foram as mesmas.

Obrigadinha à minha pessoa por isso.... %$$&//%$##"%$#  O que está feito... feito está!

Bom fim-de-semana!


Esta semana passou mais rápida, com a tolerância e o dia feriado pelo meio. Soube tão bem! E na próxima há mais! E há também a entrada de um novo ano. 2015.
2014 passou depressa. Sinto que aconteceram muitas coisas e simultaneamente poucas coisas. É um bocadinho confusa esta sensação de que o tempo nos parece querer escorrer por entre os dedos. Como se um ano se resumisse a alguns vislumbres de acontecimentos, tão rápidos que parecem quase não ser reais ou palpáveis.
Venha saúde e boa disposição para mais um ano. Que espero ser de felicidade e prosperidade para todos!

Beijinhos, bom fim-de-semana!

Leituras - "A Vida de Pi - A viagem duma vida"

de Yann Martel. 2001.



Este livro prendeu-me da primeira à última página. Não apenas pelo que conta, mas dos cheiros, das cores, das paisagens e dos estados de espírito a que nos remete. De repente estamos algures num jardim zoológico na Índia em Pondicherry, ou numa plantação de chá e depois estamos em pleno oceano pacífico, sozinhos no alto-mar onde a linha do horizonte parece não ter fim e apenas céu e mar compõem a nossa visão.

Foi adaptado para filme, realizado por Ang Lee.

Conta a "aventura" de um rapaz indiano, chamado Pi, único sobrevivente de um navio cargueiro japonês que era suposto levá-lo a ele e à sua família, e aos animais do zoo que detinham, da Índia para o Canadá. Um rapaz que sobreviveu cerca de 8 meses sozinho, com um tigre-de-bengala, num barco salva-vidas, com muito pouco para comer e beber, muitas provações e situações de quasi-morte, conta portanto também sobre a fé. Sobre Deus. Sobre as religiões - cristianismo, hinduísmo e islamismo - no mundo. E no fundo é uma profunda reflexão filosófica sobre crer ou não, em Deus. E sobre o que é que é capaz de comover ou abrir o coração das pessoas para aceitarem Deus e terem fé. Por vezes, é preciso fantasiar ou intensificar um acontecimento de forma a que isso desperte a atenção das pessoas e as façam abrir ao mundo espiritual, da fé. Que é algo que não se toca nem se pode medir. É apenas algo que se sente, porque sim, em algo que, também não se vê, nem se toca nem se pode medir. A fé é como o amor, e talvez o amor seja também ter fé. Não tem explicação, apenas é, e é uma força capaz de fazer sobreviver um ser humano sozinho nas piores condições de vida. A sobrevivência não passa apenas por provações físicas mas também espirituais.
No meu entender há um paralelismo, ou até mesmo alegoria, da situação de náufrago com a situação de, na vida, nos sentirmos perdidos, vazios, em descrença. Esse caminho até terra firme, tal qual o náufrago, procura a salvação. 
Uma história lindíssima e que nos faz pensar sobre aquilo em que acreditamos, e que, por conseguinte, somos. Foi assim que a li e a percebi.

Frases, citações ou ideias de que gostei particularmente neste livro (foram imensas!):
(cada uma destas palavras, destes pensamentos e reflexões diz-me muito...)

"Se nós, cidadãos, não apoiarmos os nossos artistas, sacrificaremos a nossa imaginação no altar da crua realidade e acabaremos por não acreditar em nada e sonhar com futilidades."

"A vida é tão bela que a morte se apaixonou por ela, um amor ciumento, possessivo, que se agarra aquilo que pode. Mas a vida salta agilmente por cima da morte, perdendo apenas uma ou duas coisas sem importância, e o desânimo é a sombra passageira de uma nuvem."

"O ensino da natação, que com o tempo se tornou prática da natação, era estafante, mas havia um intenso prazer em dar uma braçada com crescente facilidade e velocidade, uma e outra vez, praticamente até à hipnose, com a água a transformar-se de chumbo derretido em luz líquida" - para quem, como eu, gosta de nadar... é precisamente por isto que gosto de o fazer!

"Piscine Molitor Patel"

"... a natureza como um todo era uma ilustração excepcionalmente perfeita da ciência..."

"... tudo estava em ordem, tudo era ordem..."

"Não há fundamentos para ir além de uma explicação científica da realidade, nem razão sólida para acreditar noutra coisa para além da nossa experiência sensitiva. Uma mente clara, uma atenção rigorosa aos pormenores e um pouco de conhecimentos científicos mostram a religião como uma tolice supersticiosa." - diz o cientista

"A dúvida é últil durante algum tempo. Todos temos de passar pelo jardim de Getsémani. Se Cristo jogou com a dúvida, também nós devemos fazê-lo. Se Cristo passou uma noite de angústia a rezar, se Ele lançou da cruz «Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?», então também a nós nos é permitido duvidar. Mas devemos seguir em frente. Escolher a dúvida como filosofia de vida é como escolher a imobilidade como meio de transporte."

"Animalus anthropomorphicus... o animal tal como é visto através dos olhos dos humanos."

"Todos os seres vivos têm uma certa dose de loucura que os leva a procedimentos estranhos, por vezes inexplicáveis. Essa loucura pode salvar; ela é parte e parcela da capacidade de adaptação. Sem ela, nenhuma espécie sobreviveria."

"...os animais não fogem para algum lugar, mas sim de alguma coisa..."

"...o domador deve assegurar-se que continua a ser um superalfa. Pagará caro se, por inadvertência, deslizar para beta, gama ou ómega (por esta ordem). Muito do comportamento hostil e agressivo entre os animais é expressão de insegurança social."

"As vias da libertação são numerosas, mas o banco ao longo do caminho é sempre o mesmo, o Banco do Karma, onde a conta da libertação de cada um de nós é creditada ou debitada segundo as nossas acções. Isto, numa sagrada casca de nos, é o hinduísmo."

"...os hindus, na sua capacidade para o amor, são na verdade cristãos sem cabelo, tal como os muçulmanos, no modo como vêem Deus em tudo, são hindus barbudos, e os cristãos, na sua devoção a Deus, são muçulmanos que usam chapéu de abas."

"Mas não devemos aferrar-nos! Uma praga caia sobre os fundamentalistas e os literalistas!" - concordo plenamente...

Casas de Deus - templo hindu, uma mesquita, uma igreja cristã.

"O Cristianismo é uma religião apressada. Veja-se o mundo criado em sete dias. Mesmo a nível simbólico, é uma criação frenética. Para quem nasceu numa religião em que a batalha por uma única alma pode ser uma corrida de estafetas ao longo de muitos séculos, com inúmeras gerações a passarem o testemunho umas às outras, a rápida resolução do cristianismo tem um efeito estonteante. Se o hinduísmo flui tranquilamente como o Ganges, o cristianismo anda azafamado como Toronto em hora de ponta."

"Não é um negócio suficientemente grande para estar acima da lei, nem suficientemente pequeno para sobreviver à margem dela."

"A natureza é capaz de montar um espectáculo arrebatador. O palco é vasto, a iluminação é dramática, os extra são numerosos e o orçamento para efeitos especiais é absolutamente ilimitado."

"Parecia-me que flutuava numa escuridão pura e abstracta."

"Quando a nossa própria vida está ameaçada, o nosso sentido de empatia é embotado por um desejo terrível e egoísta de sobrevivência."

"... estar embriagado de álcool é vergonhoso, mas estar bêbedo de água é nobre e extasiante."

"Alguns de nós desistem da vida apenas com um suspiro resignado. Outros lutam um pouco, depois perdem a esperança. Outros ainda nunca desistem. Lutamos, lutamos, lutamos. Lutamos independentemente do curso da batalha, das perdas que assumimos, da improbabilidade do sucesso. Lutamos mesmo até ao fim. É qualquer coisa primordial, uma incapacidade para renunciar. Pode não ser mais do que uma estúpida ânsia de viver."

"Eu tinha fugido do barco salva-vidas para salvar a minha vida."

"O medo. É o único verdadeiro adversário da vida."

"Não era uma questão de ele ou eu, mas de ele e eu."

"... o pior erro de um náufrago é esperar demasiado e fazer pouco."

"Richard Parker - o tigre - era um pólo de vida tão magnético, tão carismático na sua vitalidade, que outras expressões de vida o achavam intolerável."

"Há geralmente um elemento de silêncio e de solidão na paz..."

"Bendita essa parte de nós que nos protege de demasiada dor e demasiada mágoa."

"... uma pessoa pode habituar-se a tudo, até a matar."

"O tempo é uma ilusão que nos põe ansiosos. Eu sobrevivi porque me esqueci até da noção do tempo."

"... tiláquios, as marcas de cor que os hindus usam na testa como símbolos do divino."

"Ser náufrago é ser um ponto perpetuamente no centro de um círculo... aprisionado pela geometria, também a lutar contra o medo, a raiva, a loucura, a desesperança, apatia."

"Só a morte nos excita coerentemente as emoções, quer considerando-a quando a vida é segura e trivial, quer fugindo dela quando a vida é ameaçada e preciosa."

"Tudo era ou pura luz branca ou pura sombra negra."

"A este respeito a ilha era gandhiana: resistia não resistindo."

"Nos momentos de assombro é fácil evitar pensamentos mesquinhos, alimentar pensamentos que abarcam o universo, que captam o trovão e o tinido, o espesso e o fino, o próximo e o distante."

"Pode haver felicidade maior do que a felicidade da salvação? A resposta - acredite - é Não."

"É espantoso as coisas que se ouvem quando estamos sós na escuridão da nossa mente moribunda. Um som sem forma ou cor soa estranho. Ser cego é não ouvir de outro modo."

"A miséria gosta de companhia e a loucura chama-a."

"Eles não tinham medo de mim, porque haveria eu de ter medo deles?"

"Preferia partir e sucumbir... do que viver uma vida meia-solitária de conforto físico e morte espiritual..."

"O alto trai o baixo e o baixo atrai o alto. Se estiver nas mesmas condições em que eu me vi, também elevaria os seus pensamentos. Quanto mais baixo estamos, mais alto a nossa mente há-de querer pairar. Era natural que, desolado e desesperado como estava, na agonia de um sofrimento constante, eu me voltasse para Deus."

"Chorava porque Richard Parker me tinha deixado tão sem-cerimónia. Que coisa terrível é falhar uma despedida. Sou uma pessoa que acredita na forma, na harmonia da ordem. Quando podemos, devemos dar às coisas uma forma significativa.... Na vida é importante concluir as coisas devidamente. Só então as podemos largar."

"O relato de qualquer coisa não se torna sempre uma história?"

"Relatar já tem qualquer coisa de invenção. Olhar para este mundo não tem já qualquer coisa de invenção?"

"O mundo não é apenas aquilo que é. É a maneira como o compreendemos, não? E, ao compreender qualquer coisa, nós podemos também inventar qualquer coisa nela, não? Isso não faz da vida uma história?"

domingo, 21 de dezembro de 2014

Boas Festas!


A todos os meus votos de um Feliz Natal e um Ano Novo com muita saúde, amor, sorte... perseverança, coragem e integridade.

Sejam muito felizes!

E... obrigada por me visitarem neste meu cantinho de devaneios e partilhas que é (ou se tornou) o Perspectiva. :)

Mil e um beijinhos! :)

domingo, 14 de dezembro de 2014

Fofuras... Boa semana!


Olá pessoas! :D

Desejo-vos uma excelente semana! :)

Uma mensagem especial e um beijinho cheio da melhor e maior força para alguém igualmente especial! Estou a torcer por ti! "Afinfa-lhe"! :D 
Devagar, e com perseverança, se vai ao longe.

Sejam muuuito felizes!

Beijinhos

sábado, 13 de dezembro de 2014

Reflexões de mim para mim


Para saber onde se quer ir, precisa saber-se onde se está!

Nem mais. Às vezes perdemos tanto tempo com os ses e com planos ou a falta deles. Talvez o importante seja mesmo focarmo-nos apenas no momento presente. Naquilo que somos e no que temos agora. Tentar fazer o melhor disso e sermos felizes, agora. Agora é o momento. Perceber se estamos bem ou não. Dessa forma não há que preocupar-se com o futuro. O futuro não será senão a continuação desse estado actual e os acontecimentos desenrolar-se-ão naturalmente e por si próprios.

Fofuras... bom fim-de-semana!



Minhas queridas bolinhas de pêlo :D

tenham um excelente fim-de-semana, que começou com bastante rega por parte do Sr. São Pedro (obrigada, porque assim não precisei de ir à horta... regar!).
Estamos na altura das jantaradas. Se for o caso, divirtam-se na companhia dos vossos amigos, colegas e conhecidos. Aproveitem o facto de terem a possibilidade de partilhar momentos, Afinal de contas, apenas isso importa no final!

Um beijinho!

Concordo!


Acho que sim! Eu pelo menos sinto isso! Quando cozinho para os outros, sou muito mais criativa e faço muito mais coisas. E talvez por isso as coisas saem melhor! Faço as coisas pensando se vão gostar, como adaptar as receitas aos gostos de quem gosto (!), imaginar a reacção ao provar uma receita nova que inventámos para esse alguém... só essa parte já vale a pena. Porque é feita com carinho, e amor. Portanto concordo com a frase. Cozinhar é um modo de amar. :)

Receitas - Lombinho no forno à moda da Ana Di!

Não tenho tido muito tempo e a verdade é que, no meu caso, também a vontade de cozinhar e às vezes de inventar na cozinha tem fases. Agora ando numa fase de gostar de cozinhar, de pensar em receitas e em possíveis conjugações, sempre de acordo com aquilo que tenho em casa de momento.

Fui ao supermercado e comprei um lombinho de porco. Não sabia muito bem como fazê-lo mas havia de descobrir! Em casa tinha, como sempre e porque amo, batata doce com fartura. Comprei também umas castanhas, daquelas que já vêm descascadas, em pacote (a propósito... são caríssimas...).

O que saiu desta aventura? 

Lombinho de porco assado no forno, com batata doce, maçã e castanhas!



Temperei o lombinho com sal, muito alho, oregãos, mangericão e ainda o reguei com um bocadinho de vinho lambrusco rosé que tinha no frigorífico. Deixei de um dia para o outro, no frigorífico.
Quando chegou a altura de fazer o jantar, tirei o lombinho temperado, coloquei numa travessa de ir ao forno, com cebola e mais um bocadinho de alho picado. Em redor, dispus pequenos pedaços de batata doce, maçã verde, e muitas castanhas. Voltei a regar com mais um pouco do vinho lambrusco. Coloquei muita salsa em todo o preparado, alho em pó e reguei com azeite q.b.

Resultado: um lombinho muito macio, saboroso devido às ervas aromáticas, envolvido pelo doce e suavidade da batata, o corte de sabor da maçã e o aconchego das castanhas.

Sou suspeita mas acho que ficou delicioso! Caso contrário não partilharia a receita convosco! 
Espero que gostem! :)

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Num futuro não muito distante de si!

...

Yep!


Tenho andado a mil. Não, melhor... a mil e picos! Para o que eu gostaria é assim que me parece! Culpa de quem? Minha, só minha! Detesto stress e andar a correr de um lado para o outro mas ultimamente é exactamente isso que tenho sentido e feito. Ora bolas... mau é não estarmos bem. Pior do que isso é sabê-lo! E tenho a plena consciência de que ando a esticar a corda. 

Só quero mais tempo (de qualidade) no sofá, só isso! Quem diz sofá diz a fazer coisas que goste sem pressas, sem telefonemas, nem planos, sem datas limite, sem obrigações, sem cronómetro. 

O que quero da e na vida? Nada mais nada menos do que serenidade. Sou feliz assim.

Music to my ears... literally! :)

Carolina Deslandes - Mountains ft. Agir

Gwen Stefani - Baby Don't Lie

Imany & Friends - Try Again 

Calvin Harris - Blame ft. John Newman

Bryan Adams - She Knows Me