segunda-feira, 22 de agosto de 2016

My wishlist. Quero!

Adoro o tema da interpretação da linguagem corporal. Acho que cada pessoa é como um livro que podemos ler mesmo que não falemos a mesma língua nem consigamos comunicar oralmente. Contrariamente àquilo que costumamos pensar, a verdadeira (sem filtros) comunicação entre indivíduos faz-se de forma não linguística (não é necessariamente não verbal porque essa parte de análise de discurso - sem olhar às palavras mas sim à entoação, ritmo, ... - é tão importante quanto a restante análise comportamental e corporal - é a análise paralingística). Cai por terra toda a aparente dificuldade trazida pela Torre de babel.... :) :) ...

Nós somos seres muito complexos. (Ou gostamos de pensar que, por pensarmos, somos complexos... Ou ainda... complexificamos tudo sem necessidade!) Mas a verdade é que a verdade (!) não se consegue ocultar de forma total, e se estivermos suficientemente atentos conseguimos perceber os outros. Conseguimos perceber o seu grau de sinceridade, de autenticidade, o seu verdadeiro estado de espírito e as suas intenções. Trata-se apenas de se ser observador, paciente, mente-aberta e ler tudo aquilo que os outros nos dizem sem falar. Aquilo que nos dizem com os seus gestos, expressões, movimentos e opções.

Portanto... quero ler também este livro! "What every body is saying" de Joe Navarro. O escritor e autor é um ex-agente da FBI e foi um dos fundadores do departamento de inteligência comportamental da FBI. escreveu também o Dangerous Personalities (também quero ler, mas mais tarde), e fiquei entretanto a saber que foi consultor de uma das minhas séries favoritas de sempre - Lie to me!

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Leituras - "Ulisses"

de Maria Alberta Menéres. 1989.


Da conhecida e intemporal obra do poeta grego Homero - Odisseia - surge este simpático livro para crianças (e não só). Conta a história de Ulisses (Odisseu). Rei de Ítaca. E o seu regresso a casa após a Guerra de Tróia. Ulisses... ou Odisseu... considerado na época (1200 a 1300 a.c) o mais valente e astucioso dos homens, venerado por gregos (e secretamente por troinanos?!?! :D ) que ao longo da sua vida viveu as maiores aventuras e desventuras por terras e mares desconhecidos. 

Quem nunca ouviu falar do cavalo de Tróia? E de Páris, o príncipe troiano que raptou a bela rainha grega Helena? Dos gigantes ciclopes, de Polifemo? Do saco onde o rei Éolo guardou todos os ventos mais furiosos e que fazem as tempestades? Do canto encantador das sereias que atraem os marinheiros para o fundo do mar? E da feiticeira Circe? E do cão Cérbero, com três cabeças, que dorme de olhos abertos e guarda a porta da gruta do Inferno? E de Tântalo, que tinha sede e fome e não podia beber nem comer? E de Sísifo, que empurrava, condenado, eternamente um grande rochedo pela encosta acima? E de Atena, a deusa que sempre protegeu Ulisses? O fiel cão Argus que morreu de emoção ao reconhecer o seu dono? E de Penélope, a esposa devota ao marido desaparecido? E de Telémaco, o filho de Ulisses?...

Todos nós já ouvimos de uma forma ou de outra, com mais ou menos pormenor, falar sobre estas personagens e acontecimentos (mitológicos?!) que ao longo dos tempos se foram transformando em símbolos, cuja menção tem um significado mais profundo e lúdico do que aparentam, para todos e para todas as idades!

"Os gregos eram um povo de marinheiros destemidos. Eles cruzavam os mares, tal como os Fenícios, os Cartagineses, e mais tarde nós, os Portugueses."
 
"O ciclope era para os Gregos destes tempos o mesmo que o gigante Adamastor foi para os portugueses: duas imagens criadas por dois poetas, Homero e Camões, para nos falar do medo do desconhecido."

"Zéfilo, a brisa suave que tão agradável é para os marinheiros." - o vento oeste.

"Pela primeira vez ele se viu e se achou realmente só. Aquele mar que tanto adorava parecia querer destruí-lo. O mar que era caminha parecia querer transformar-se em porta que se fechava sempre à sua frente."

"... tão habituada que estava à espera desesperada."

"Tão grandes foram as suas aventuras e desventuras que ele teve de as continuar vivendo dentro de si próprio, contente por assim ir navegando na grande e inesperada aventura de se sentir finalmente feliz."

sexta-feira, 29 de julho de 2016

A ouvir e a adorar...

Ana Moura - Clandestinos do Amor


Next To Me - Originally by Emeli Sandé - Pacha Acoustic Clubbin' - Acoustic Version

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Le talent et le peur


"O medo virá com o talento." Marc Jovilet

ou... quanto mais sabemos... mais consciência temos do quão pouco somos e sabemos de facto...

E a diferença entre...

o interno e o interior é?!

É que... internamente sinto que interiormente se é igual. Mas interiormente sinto que internamente é diferente!

quarta-feira, 13 de julho de 2016

A ouvir

Joan Baez - It Ain't Me Babe - BBC "In Concert" Show (1965)

Joan C. Baez - The Best Of (Full Album)

Mr. Tambourine Man (Live at the Newport Folk Festival. 1964)

Bob Dylan - Like a Rolling Stone

Chamo a isso... Perspectiva!

segunda-feira, 11 de julho de 2016

domingo, 10 de julho de 2016

Sentir História a acontecer!! Euro 2016 - Portugal campeão!!

Eu sou aquela pessoa que liga muito pouco a futebol. Que torce pelo Benfica no campeonato nacional (mais por razões familiares do que propriamente clubísticas!) mas quando o assunto é jogos da Selecção Nacional.... ah aí meu amigos.... eu grito, choro, levo as mãos à cabeça, roo as unhas, puxo cabelos, fico impaciente, nervosa, ansiosa, levanto-me e sento-me milhares de vezes, não consigo comer, digo um ou outro nome menos bem-criado, e vibro do princípio ao fim do jogo. E em jogos importantes é isso potenciado a mil! O de ontem... ainda por cima uma Final... em casa da equipa adversária... foi emoção ao máximo!!! E como todo o jogo que se preze da nossa Selecção... é sempre a sofrer... e aqui só para nós... assim é que é bom! Dá ainda mais intensidade a toda aquela montanha russa de sensações e emoções!
E ontem temos de ter noção que se fez História no futebol português! Foi a primeira vez que Portugal se sagrou campeão da Europa! E foi sofrido, intenso, justo e LINDO!
Toda a nação está em festa porque o futebol é um desporto que, temos de admitir, cativa massas. De pessoas e das outras! (LOL). E eu adorei, adorei, adorei.... E sei que este foi um momento histórico a que tive o privilégio de assistir e de sentir! Parabéns a Portugal, a esta nação valente e imortal!!
PORTUGAL!! PORTUGAL!!! PORTUGAL!!!

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Criativismo fonético, semântico-lexical ou... Surrealidades do meu dia-a-dia #28 (actualização)

São inúmeras as vezes que oiço palavras ou expressões distorcidas. Ou raciocínios mirabolantes! E se algumas vezes me consigo conter, outras há em que me desato a rir na hora. E de todas as vezes tento registar essas palavras ou expressões ou raciocínios para a eternidade ou.... pronto vá eu confesso... para me voltar a rir à grande depois quando os releio! :)

Atenção que o facto de reparar nisto no discurso dos outros não faz de mim nenhuma sábia utilizadora da língua portuguesa e afins, que se acha no direito de corrigir os outros! Eu própria também digo coisas destas! E portanto não é com arrogância que noto nestas coisas e as transcrevo para aqui, mas sim com um enorme espírito de partilha, esperando que desse lado provoque um sorriso, uma gargalhada... o mesmo que a mim! :)

Vou passar a actualizar este post sempre que surja uma nova e criativa expressão, bem como o contexto em que foi dita. Por isso, se houver interesse aí desse lado faz favor de irem dando aqui uma espreitadela. :)

1 - Diz uma rapariga acerca da amiga da amiga (todos sabemos o que isto quer dizer right?!?!?)... "ela anda muito triste. Acho até que o que ela tem mesmo é um grande desgostamento!"
(Acho que ela queria dizer... Esgotamento...mas inventou ali uma mistura entre depressão, desgosto e esgotamento!)

2 - "isto é inadmissível! É claro que me sinto desfraldado!"
(Excuse me sir... acho que queria dizer... Defraudado... porque caso contrário vamos entrar em pornografias a tirar a roupa e tal hummmm... LOL)

3 - "Ah mas é para devolver? Isso dos devolutivos é noutro sítio!"
(Talvez fosse Devoluções não?! Who knows!! Ou então é dos prédios.... devolutos:D)
(Agora a sério... devolutivo existe mas é raro alguém perceber/saber (eu não sabia!!) portanto acho que foi mesmo por engano! Gotcha!)

4 - "O professor diz que não posso ficar com a Mariana ao pé de mim na sala de aula. Ela está sempre a descontrair-me! Fico muito descontraído!"
(ahhhhh..... não era mau sinal a miúda fazer isso, podia haver ali uma certa química LOLOL... mas acho que aqui era mesmo... Distraído!)

5 - Na praia... "Claro que a Bolacha Americana é mais cara do que a Bola de Berlim! Tem que se ir buscar à América! É muito mais longe!"
(.... ahhhhh.... okey.... a pessoa que disse isso não estava a brincar.... :P)

6 - "pode-se aquecer a comida no maricondas"
(LOLOLOLOL.... microondas...)

7 - "Tens o cabelo tão mas tão grande que.... chega ao tecto!" 
(desenganem-se os estúpidos terráquios que achavam que o cabelo crescia para baixo! Crescer é sempre para cima! Ou isso ou é mesmo falta da força da gravidade! Ou então é afro-style! eheheheh)

8 - "Dá cá a máquina que eu vou retiro a fotografia".
(Está bem... fotografia envolve retrato, e... retrato envolve tirar a foto em si. Mas daí a fazer um retiro (espiritual quicá!?!lol) e/ou retirar a dita cuja através da máquina.... é obra!!! E não diz respeito à Fotografia!)

9 - É muito teimoso, tem uma personagem muito forte! (aqui queria dizer-se "personalidade" parece-me!!!)

10 - Estava tão doente que tomou tibietes! (a pessoa desenvolveu... diabetes!!!)

11 - (Acerca de igrejas...) É uma questão de região e pronto! (.... era religião..., mas pensando bem também pode ser de região! hummmm)

12 - Não te posso contar os meus desejos porque depois eles não se concisam!
(ora bolas... não queremos cá desejos consisos/ pequeninos e pior... que não se realizem!!! LOL)

13 - Já está a comida a loirar no forno! (ao que eu corrijo... é Alourar!!!, e ele responde:) Sim pois é! Aloira-se no forno e louram-se os cabelos. Ou aloiram-se os cabelos e aloura-se a comida?!
(eh pa.... confesso que também já não sei!!!!)

14 - Não gosto de casas com muitas escadas. A minha casa é plena. (hummm... espero que sim, que seja plena e amor e afins.... mas parece-me que a sujeita queria dizer "plana"!)

15 - Antes eram as amas, agora chamam-lhe bebésitas! (lololololololol.... são babysitters!!!)

16 - Tia ajuda-me aqui a dar um salto daqueles maiúsculos!! (Sim a titi ajuda mas olha que isso dos maiúsculos é mais para as letras ok?!!) :D

17 - Com a idade os ossos vão ficando desclassificados. (... des-cal-ci-fi-ca-dos uma vez que vão é perdendo cálcio, e não propriamente perdendo... classificação!!!)

18 - Tem de tomar essa medicação para ver se se estabelece a infecção. (ora bem... é bom que a medicação estabilize e se possível trate a infecção, nunca o contrário. :D)

19 - Esta é da filhota do amigo Zé Luís... "Pai faz lá aí um buraquinho com o furaquim!!"... ihiihih ta demais!

20 - Esses das motas. Chamam-se motoqueiros ou motários! (oooops!!! é motards!! Com todo o respeito... não se tratou de uma ofensa mas apenas de um deslize de linguagem....)"

21A dívida já está soldada. (amigos... não precisamos de levar a dívida para a oficina a soldar, nem precisamos estar cá com militarisses de soldados e afins... As dívidas saldam-se e pronto! :D)

22 - Houve um acidente. O carro ficou todo amarrotado! (uuhhhhh... seria amachucado? ou amolgado???)

23 - "Estás aí toda concentrada, muito atenciosa" - Sim, estava concentrada, mas não estava a dar beijinhos ao que estava a fazer!! Estava só... com atenção!

24 - Fulano foi preso. Diz que fez um fruto! (erhhh... seria um furto?! É só uma questão de r's...) 

25 - (Estou a sair do mar e tenho com o corpo cheio de algas...) Diz alguém: Ehhhhh!! Vens toda algaliada! (LOL... LOL... LOOOOOOOL. Algas está bem... agora algálias... é MUUUITO diferente!!)

to be continued...

(post iniciado a 15/07/2015)

Nervoso... miudinho.

Entra-se-me pelos ouvidos aquele barulhinho
Não é alto nem é baixinho
As mãos tremem e hesitam
O suor (es)corre veloz
Numa taquicardia que me assola
A pulsação... rápida, entontece-me
Do calor ao frio e do frio ao calor, aquece-me
In mente tiro do saco a viola
E canto sem se ouvir, a cantar sem voz
As cordas ressoam e como que imitam
Aquele burburinho que não é alto nem é baixinho
É só um barulhinho... de um nervoso, miudinho.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Bom fim-de-semana!

(foto de Henri Cartier-Bresson)
Caríssimos,

desejo-vos um excelente fim-de-semana! Se possível... celebrem a amizade! :)

Beijinhos

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Leituras - "Nenhum Caminho será Longo"

 de José Tolentino Mendonça. 2012.


José Tolentino Mendonça é padre, poeta, teólogo e professor. É todas essas coisas para além de, presumo, muitas outras mais. Percebo-o como uma pessoa extremamente interessante e culta, ainda que dotado de uma enorme humildade e simplicidade que se percebe pela forma como consegue transmitir as suas ideias e raciocínios de forma clara e despretensiosa. E percebo-lhe também alegria, brilho na forma de ser, aliados a alguma inquietude e curiosidade/dúvida sobre as coisas. Condição necessária a quem se dedica a reflectir e dissertar sobre a vida, sobre a condição humana e sobre Deus, através da religião e espiritualidade.
Este livro é uma reflexão profunda e religiosa sobre a amizade. Essa "coisa" de inestimável valor, que por vezes se mescla ou confunde com o amor, e que dá sentido ao caminho que cada um percorre na vida, tornando-o mais leve ou curto, sendo por isso essencial a uma existência mais feliz.
O autor faz imensas referências bibliográficas ao longo de todo o livro, desde escritores, poetas, filósofos, teólogos, modernos e antigos, cujas contribuições são o início de reflexões ou a sua conclusão ou reforço de raciocínios. Muito interessante... ao lê-lo estamos simultaneamente a ler (e no meu caso a conhecer!) muitos outros autores. Para além disso, o fio condutor dos vários capítulos e pontos é a Bíblia. É através da história de Jesus Cristo e das personagens bíblicas que vão sendo dados exemplos, vão sendo colocadas questões e apresentadas possíveis respostas.
Gostei imenso. É aquele tipo de leitura que nos faz sentir crescer por termos aprendido muito a diversos níveis. Foi isso que eu senti.

Frases ou ideias de que gostei particularmente (...ou  que, por alguma razão, me chamaram à atenção...):

«Ao lado do teu amigo, nenhum caminho será longo.» Provérbio japonês

"... E isso serve-nos de desculpa para não fazermos a única coisa que Deus espera realmente de nós: sermos nós próprios."

"Projectamos em Deus expectativas que Ele não pode ter a nosso respeito, porque respeita a nossa liberdade, aceita o desconhecido que há em nós, o estranho que nos habita, o enigma que somos."

"Ele não é o espião metafísico, pronto a contabilizar as nossas falhas e desvios, ou então a condecorar-nos pelas nossas boas ações e piedade."

"Por vezes, a ânsia que temos de ser poupados aos sofrimentos do presente torna a religião uma coisa muito confortável, feita à nossa medida, como se a religião fosse um clube de escapistas. ... O caminho da amizade com Deus, porém, é outro. É necessário amar a Deus sem ser por nada. Amá-lo, simplesmente. «A rosa não tem porquê./ Floresce porque floresce./ Não cuida de si mesma./ Nem pergunta quem a vê...», ensina Angelus Silesius. Ou, como escreveu Gertrude Stein, «uma rosa é uma rosa é uma rosa»."

«Não é preciso falar» ..."Como é que percebemos que duas pessoas que não conhecemos são amigas? Pela forma como conversam? Certamente. Pela forma como riem? Claro que sim. Mas ainda mais por nitidamente abraçarem, com serenidade e alegria, o silêncio uma da outra."

"amigo (réa, em hebraico)..."

"Os amigos não defendem apenas o nosso sorriso: oferecem-nos o tempo para chorarmos o que temos de chorar."

"O desejo do amor confunde-se com a nostalgia de reencontrar a unidade perdia: na origem, fomos cortados em dois e, de um só, ficaram duas metades. Assim, através do amor, cada metade procura a que lhe corresponde."

"... para Platão (em O Banquete), o amor é também uma passagem do sensível ao inteligível, da beleza dos corpos à beleza das ideias, do eros à amizade. ... na voz de Diotima... «Corre por aí um ditado que diz que amar é andar em procura da sua metade... Todavia, em meu pensar, não existe amor de uma metade ou de um todo. (...) O amor é desejo de possuir o Bem para sempre»... Por um processo que nos leva do particular ao universal, do físico ao espiritual, do belo ao bom. É uma via de ascese intelectiva que nos faz passar da beleza de um corpo à de todos os corpos, dos corpos belos à beleza da virtude e do conhecimento, até que, a verdade do belo, levada às últimas consequências, nos abra ao bem e à sabedoria."

"A escolha dos amigos, não sendo simples, deve ser igualmente criteriosa."

"Sem amizade a mulher ou o homem viveriam como exilados."

"Um amigo é um outro eu de mim."

"Os amigos são paralelas que só no infinito se encontram."

Aristóteles «Aquele que tem muitos amigos, não tem nenhum amigo.»

Rimbaud «Eu sou um outro.»

"Muitas vezes o nosso conflito e a nossa dor nascem de um impasse: por um lado, não somos capazes das linhas de continuidade que idealizamos e, por outro, não estamos muito preparados para valorizar, de um ponto de vista espiritual, as modificações permanentes pelas quais passamos."

"... essa dimensão silenciosa e submersa..."

"O quotidiano é o que nos revela mais intimamente..."

"Os antropólogos dizem que, quando se sabe onde se come, como se come, com quem se come e o que se come, sabe-se o mais portante acerca de um grupo humano."

"A autoconsciência da sua fragilidade era também o motor da sua abertura à amizade..."

Romano Guardini «Para mim mesmo, eu não sou simplesmente uma coisa evidente. Sou também um estranho, sou enigmático, poderei mesmo dizer que sou um desconhecido.»

Marcel Proust «tornámo-nos semelhantes a esse fidalgo que, partilhando desde a sua infância a vida dos ladrões de estrada, não se lembrava mais do seu nome.»

Santo Agostinho «Só não perde nenhum ente querido aquele para quem todos são queridos naquele que nunca se perde.»

«animi custos» alma custódia; «animi consors» alma gémea

"... certas situações que começam por ser uma tão arrebatada e exclusiva comunhão de almas que terminam numa confusa e banalizada confusão de corpos."

Um homem entra num mercado e lembra-se que não prendeu a sua bicicleta que deixou à porta do mercado. Corre aflito e angustiado já augurando que lhe a tinham roubado. Diz a Deus que se a bicicleta ainda lá estiver ele correrá até ao templo mais próximo para rezar e agradecer-Lhe. Assim o fez. Quando saiu do templo, tinham-lhe roubado a bicicleta... "A amizade é uma arte de desprendimento."

"O amigo dedicado" de Oscar Wilde... Hans e Hugo... a farinha e a amizade...


Jacques Ellul «é necessário profanar o dinheiro"

... a gratuidade e a felicidade...

... A vida antes da morte...

... zonas silenciosas, territórios de fronteira do nosso ser...

"... o alaúde foi construído à navalha e depois solta uma música incrível. Muitas vezes, é a dor que escava em nós profundidades que, depois a alegria vai encher..."

Bonhoeffer «Deus não realiza todos os nossos desejos, mas é fiel a todas as suas promessas.»

Filho de Sara e Abraão... Isaac significa "Deus sorri."

Wislawa Symborska «Devo tanto àqueles que não amo»

"Nenhum golpe nos fere tão fundo como aqueles que nos chegam de um amigo, de um irmão" "Só quem me ama me pode trair."

"É verdade que temos de perguntar-nos se as nossas deceções não se prendem demasiado a uma visão narcísica da amizade ou a uma confortável projeção de expectativas no outro, das quais nem todas serão legítimas ou sensatas."

"... a mais emblemática história de traição de um amigo: a protagonizada por Judas..."

Evangelho de Judas - "Em vez de um traidor, Judas é descrito como um discípulo obediente, executor fiel de uma ordem do próprio Jesus que precisaria desta colaboração para consumar o seu projecto de salvação. Sem o gesto de Judas, Jesus não alcançaria afinal a sua Páscoa. Por isso, o próprio Jesus convence Judas a entregá-lo" «Levanta os olhos e observa a nuvem luminosa e as estrelas em redor. A estrela que indica o caminho é a tua estrela.»

Nikos Kazantzakis - A última tentação de Cristo (1951) «Nós temos de salvar o mundo, ajuda-me.»

Judas - «o Predilecto», em hebraico. (o amado)

Judas Iscariotes beija o seu mestre... entregando-o. "Salve, Mestre!"

Ish - homem, em hebraico

"Judas era o único discípulo natural da região da Judeia, visto que os outros onze eram galileus."

"Judas traiu porque se sentiu traído."

Fernando Pessoa na primeira página do livro do desassossego «A alma é um abismo obscuro...»

"Ser só é diferente de estar sozinho. Todos nós somos sós, mas ficar sozinho é a consumação, ainda que temporária, de um corte. Passamos a viver numa bolha insonorizada, cada vez mais isolados."

... mistagogia - entrada progressiva no mistério...

Pseudo-Dionísio, teólogo e filósofo neoplatónico, por finais do séc. V desenvolverá a mística do silêncio. 

A importância do silêncio.

sexta-feira, 24 de junho de 2016

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Surrealidades do meu dia-a-dia #44

O edifício onde vivo está a ser pintado. O objectivo é contratar um pintor, pagar-lhe, e daí a um certo tempo ter as paredes todas pintadinhas e bonitas. Ponto. Sem trabalhos ou despesas acrescidas. Não é pedir muito pois não?! E de facto, o edifício está a ficar lindo mas desde, e à conta de, que as pinturas começaram, só me têm acontecido peripécias:

1 - Os senhores pintores precisaram lavar as paredes antes de rebocar e pintar. Muito bem. Utilizaram a canalização da minha cozinha. Tentaram na saída de água para a máquina de lavar loiça... parece que não estava com muita pressão... e entretanto fecharam-na de tal maneira que a máquina deixou de funcionar e não davam a torneira aberta outra vez... portanto passaram para uma segunda torneira, também na cozinha. Esta já serviu para o efeito. Mas houve ali uns percalços e... a cozinha inundou! Sim, inundou! Tiveram de desmontar os móveis para não incharem e apodrecerem com a água e tirar tudo de dentro dos armários junto ao chão... Sim... uma bela tarde cheguei a casa, pensando no quão bonito o edifício estaria a ficar e tive uma experiência apocalíptica quando chego a casa. Fiquei um bocadinho... só um bocadinho... chateada...;

2 - Os senhores pintores tiveram de desmontar um estendal que tenho de parede. Depois de pintar a parede, voltaram a colocá-lo no sítio. Sim, foi mesmo só colocar... não foi montar. Porque aqui a lavadeira foi estender a roupa lavada e cheirosa e eis que ela caiu direitinha no chão, que estava cheio de massa de reboco. Maravilha! Em seguida, fiz um exercício de respiração... longo, muito longo. Peguei no estendal. Montei o estendal. Voltei a lavar a roupa e lá a estendi. Agora bem. Entretanto reparo que o corrimão de uma das varandas já tinha sido pintado. Está muito bonito... e para mais tarde recordar tem também as impressões digitais e manuais e braçais de um deles ou de vários (os pintores), que andaram lá a mexer quando a tinta ainda não estava seca. Mantive a calma. Mas já a sentir a pressão na panela....;

3 -  Certo dia de manhã chego ao carro. Parecia que tinha nevado e todo, mas todo mesmo, (capot, tejadilho, vidros, laterais, espelhos... até a traseira!) o carro estava sarapintado de branco. Gelei. Logo logo nem queria acreditar. Passei os dedos pelas pingas de tinta e não saiam. Experimentei com a unha. Saiam mal.... Fui portanto em modo emergência até à lavagem mais próxima, antes que a tinta secasse mais, e após uma boa quantidade de € e paciência a lavar e a insistir nalgumas zonas em que a tinta parecia já fazer parte da pintura do carro... lá consegui tirar. Não tudo. E o brilho das pingas ainda se nota noutras partes... Nesta fase passei de chateada, piurça... a rir-me com a situação. Mas um rir triste. Porque... o que é que podia acontecer mais?!?;

4 - Já um bocadinho temerosa... enquanto estas pinturas durarem parece-me que a cada dia vou ter uma (desagradável) surpresa... lá vou levando um dia de cada vez, e a rezar para que esta m... acabe rápido! Eis senão quando... tan tan tan... fui abrir uma persiana de uma das janelas e... parti a dita cuja. Porquê? Porque do lado de fora (que eu não via porque a persiana estava fechada!!!) os senhores pintores resolveram encostar um vaso enorme e pesadíssimo que tenho com um cacto aloe vera mesmo junto à persiana, de tal forma que quando a tentei subir... o vaso veio atrás e como era muito pesado... desencaixei e parti o tubo da persiana!!! Ficou inutilizável. Nem para cima nem para baixo! Respirei fundo e sim... senti raiva e frustração.
Lá arranjei um senhor que arranja (passo o pleonasmo!) persianas. Olhou para a situação e soprou, soprou... disse logo que o caso era muito complicado. Ainda por cima não se consegue aceder directamente ao tubo porque a construção da janela não o permite (e por essa razão ainda levei uma valente "chazada" do senhor... como se eu tivesse algum tipo de responsabilidade da janela ter sido construída assim). Mas depois de tanto soprar lá arranjou forma de remendar (não de emendar!) a situação. A persiana já voltou a subir e a descer. Mas de forma provisória!! Ou seja, pode deixar de conseguir utilizar-se ainda hoje, amanhã ou daqui a um qualquer tempo indefinido! 
O meu estado de espírito actual? Zen. A aguardar a próxima!

Aconteceram mais uns quantos dissabores que nem vale a pena estar aqui a descrever...

Pronto. Quero acreditar que isto no fundo só pode ter sido uma forma concreta de eu perceber a evolução entre estados de espírito aparentemente distintos. Serviu para demonstrar que a serenidade e boa-disposição por vezes provêm de uma atitude consciente e resiliente de aceitação e de saber relativizar as situações desagradáveis ou adversas que inicialmente nos induzem em estados de raiva, frustração, irritação, tristeza, cansaço e desespero. Portanto... obrigada senhores pintores por este maravilhoso ensinamento.... (embora eu preferisse não ter de passar por tanto estados menos zen...hummmmm)
Ah! E o edifício está a ficar lindíssimo! :)

Surrealidades do meu dia-a-dia #43

(no meio de um diálogo)

Sobrinha - Tia, eu acho bêim!
Eu - Oh M., não se diz bêim. Diz-se bem! Só assim: bem! Experimenta lá!
Sobrinha - Bem! É assim? Bem! Está bem dito! Bem! Bem!
Eu: Sim, é isso mesmo. Assim já está bêim!

:D :D

Faz o que eu digo, não faças o que eu faço!!

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Surrealidades do meu dia-a-dia #42

Vou buscar a minha sobrinha à escola. Quando me encaminho para a sala da turma dela reparo que está vazia. Aliás, não há crianças em nenhuma das salas! Neste momento passa uma senhora de meia idade que, pela farda que trazia vestida, me fez perceber que trabalhava ali. É uma auxiliar de educação. Perguntei então a esta funcionária onde estavam as crianças. Ela lá me disse que estavam numa sala diferente por causa de uma reunião que ia haver nessa tarde. Entretanto tivemos este interessante diálogo:

Ela - Pois, hoje os meninos estão todos na sala de acolhimento. Quem é que vem buscar?
Eu - Eu venho buscar uma menina, a M., da turma tal!
Ela - Ah sim, estou a ver. Você é-lhe quê?
Eu - Sou tia!
Ela - Ah é a tia! Então e o que é que é aos pais?
Eu - (what?!?!.... Isto será para algum concurso de parentescos?!) Ora, então... sou irmã!... Neste caso, da mãe!

Tipo... isto foi estranhamente... estranho!

Surrealidades do meu dia-a-dia #41

Ir no trânsito a fritar da pipoca, cheia de pressa e a maldizer aquela alminha que segue à nossa frente e que parece ser de uma qualquer família reptilia que faz tudo em câmara lenta, no devagar devagarinho... e eis que... travando em cima da criatura... reparo que ela traz escrito na bagageira uma mensagem muito apropriada para mim:
"Tem pressa?! Acorde mais cedo!"

Toma lá!... vai buscar Ana Di! 
Criatura reptilia do carro da frente 1 - Ana Di 0


segunda-feira, 20 de junho de 2016

Boa semana!


A religião devia ser uma forma de nos elevarmos e portanto de ganharmos consciência de nós próprios e de tudo o que nos rodeia, induzindo-nos num estado de contemplação, aceitação, compreensão, amor e harmonia. Tudo que seja diferente ou desviante disso... pode ser um sem fim de coisas e situações mas religião não é certamente!

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Leituras - "Amor Terapêutico"

de Eduardo Brito Aranha. 2006.


O autor, Eduardo Brito Aranha é um médico português, de clínica geral, de 69 anos. Depreendo do que lhe leio (sim porque eu também leio porque gosto de ler o autor, de tentar perceber a mente que escreveu o que escreveu) que é muito observador, bem-humorado, perspicaz e um tanto ou quanto acutilante. Gosta de sátira, mas sem ofender directamente ninguém. Consegue colocar em palavras e atitudes diferentes tipos de pessoas e personalidades. Consegue captar muito bem o típico espécime portugues(inho/ão). Percebe-se que é alguém que ouve muito. Que escuta muito. E que regista cada pormenor de cada um, e da sua história. Com um misto improvável de generosidade e espírito caçador.
Neste livro, cujos textos surgem de forma encadeada, muito em redor de uma família tanto surreal como usual (!!!), os Sarmento, apresenta diferentes histórias de vida e portanto coloca em comparação diferentes perspectivas de vida. Cujas características se percebem desde a forma de falar e as palavras empregues até à forma como efectivamente se sentem e vivem as situações.
Irónico e sagaz. E também descontraído.
Gostei. Ri. Pensei.

Algumas frases ou ideias:

"...nós, Graças a Deus, aqui em Portugal até nem nos podemos queixar muito, vamos tendo sol e dinheiro para a bica..."

"... Nós gostamos de estar entre os braços de um homem, mas vocês gostam é de estar sempre entre as pernas de uma mulher."

"... os estudos e o vil metal é que contam neste mundo-cão..."

"Infelizmente para ganhar a vida, tenho primeiro de a gastar."

"... já desde a Idade Média que o poder espiritual e o poder político têm andado de braço dado..."

"Vivo num país perigoso para quem tem valor próprio..."

"Não fiz perguntas. Não sou de fazer perguntas para chegar a conclusões. Gosto mais de ir ouvindo o tempo que for preciso, depois juntar os elementos considerados suficientes para poder ter o prazer de concluir."

"O mundo tem evoluído?... Como é que o desenvolvimento científico tem contribuído para a verdadeira liberdade? Ou chamar-se-á liberdade não ter que levantar as nádegas dum sofá para mudr o canal ao televisor? Não sei se na verdade este século não terá contribuído ainda mais para agrilhoar o pensamento, disfarçando hipocritamente as novas algemas sociais em tretas como o fim da escravatura ou da pena da morte. Acabaram realmente?"

"Acabou a guerra de África e a polícia política. Vota-se, lá isso vota-se, mas para quê? Para nos tentarem convencer que o partido em que votamos defende os nossos interesses, quando no fundo, votando, contribuímos ainda mais para apoiar a plutocracia que assim se vai sedimentando." "Sou eu mais inconformado que ele, até talvez mais à esquerda. Mas continuo a perguntar à esquerda de quê e para quê."

"Uma língua evolui através de erros e de aventuras fonéticas, sintácticas e morfológicas, tanto do ponto de vista popular, como erudita."

"Antigamente dizia-se que a dentada de um cão se curava com a saliva de outro, agora chamamos a isso amor terapêutico."

"Muitas vezes compensamos uma perda através de um péssimo ganho, constituindo no fundo uma tentativa auto-terapêutica de compensar o luto. Saltamos um muro - e quanto mais alto ele for, menos vemos o que há do outro lado - e saltamo-lo para o pior sítio. Pode ser mau, mas é do lado de fora e liberta-nos da anterior vedação."

"A teoria de Nietzche acaba por se confirmar. Mesmo os chineses dizem que qualquer civilização que comece por recusar matar os seres inferiores para a sua alimentação, mais tarde ou mais cedo, extingue-se."

"Quando uma sociedade atinge um determinado grau de desenvolvimento, parece deixar de matar para ter comida e ser a comida que a mata a ela."

"Bem sei que tenho uma sanidade mental, nalguns aspectos duvidosa, mas tento que ninguém descubra as minhas idiossincrasias. Penso que nenhuma das mulheres com quem me tenho envolvido desde jovenzinho, ainda descobriu que só as aceito se o seu nome começar por "F". De contrário rejeito-as no navio do amor. Podem ser nomes repetidos, como foram as quatro Fernandas. Ainda nenhum psiquiatra conseguiu compreender a razão de tal parafilia ou comportamento compulsivo. Ou então, tenho sido eu que manobro as conversas ao ponto de eles não conseguirem descobrir."

"Milagres, só os que fazemos uns aos outros."

"Um dia, quando o sol arrefecer, daqui a muitos milhões de anos, poderão existir muitas referências ao passado, mas nunca uma memória suficientemente assertiva para as interpretar de forma adequada."

Bom fim-de-semana!


Olá pessoas!
Está calor. Tudo de repente se dilata e adquire uma saborosa e anestesiante sensação de bem-estar.
 Está um feriado aí à porta.
Está-se num país com locais lindíssimos para se estar e passear.
Está-se num país de praias paradisíacas... portanto(sssss) toca a aproveitar o fim-de-semana grande e curtir este tão aguardado e almejado bom tempo.
 Beijinhos!

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Leituras - "Não te deixarei morrer, David Crockett"

de Miguel Sousa Tavares. 2001.


Gosto da forma como Miguel Sousa Tavares escreve. Gosto das referências históricas habilmente introduzidas em textos sobre assuntos tanto quotidianos e banais como profundos e poeticamente filosóficos. Gosto que, assim do nada, me recorde o nome de algumas constelações, que apresente a poesia como forma de estar na vida, gosto também de fazer ligações entre as suas histórias e as realidades que todos conhecemos directa ou indirectamente, gosto ainda de ler o meu nome por mero acaso, e gosto, finalmente, de começar a ler e esquecer o tempo, viajando por aí.
Este livro é constituído por crónicas/textos que o autor foi publicando numa revista nacional e outros textos inéditos. 

Frases ou ideias de que gostei particularmente:

"David Crockett representa “uma espécie de pureza inicial, um excesso de sentimentos e de sensibilidade, a ingenuidade e a fé, a hipótese fantástica da felicidade para sempre.”

"Foi um processo longo e difícil, como sempre o são as aproximações entre duas pessoas habituadas a estarem sozinhas. Primeiro parece fácil, é o coração que arrasta a cabeça, a vontade de ser feliz que cala as dúvidas e os medos. Mas depois é a cabeça que trava o coração, as pequenas coisas que parecem derrotar as grandes, um sufoco inexplicável que parece instalar-se onde dantes estava a intimidade. É preciso saber passar tudo isso e conseguir chegar mais além, onde a cumplicidade - de tudo, o mais difícil de atingir - os torna verdadeiramente amantes."

"quase todas as fotografias dos últimos dez anos das suas vidas e algumas outras coisas cujo verdadeiro valor era o vazio que encontrava se olhasse para o lugar onde elas costumavam estar."

"Eu acredito na continuidade das coisas que amamos, acredito que para sempre ouviremos o som da água no rio onde tantas vezes mergulhámos a cara, para sempre passaremos pela sombra da árvore onde tantas vezes parámos, para sempre seremos a brisa que entra e passeia pela casa, para sempre deslizaremos através do silêncio das noites quietas em que tantas vezes olhámos o céu e interrogámos o seu sentido.
...
E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre."

"... aquela linguagem de subentendidos e sorrisos que os casais usam entre si..."

"Os Impérios, costumava ele dizer, conquistam-se pelas armas e mantêm-se pelas leis..."

"Porque nada é mais íntimo e mais indestrutível do que o silêncio partilhado." "Podemos desdizer hoje o que dissemos ontem, podemos gritar hoje, por ódio, o que ontem segredávamos por amor. Mas o silêncio fica porque nunca mente, porque é tão íntimo que não pode ser representado, é tão envolvente que não pode ser rasgado."

"...nunca devemos amar em silêncio, nada é mais perigoso do que dividir com outrem os pensamentos vividos em silêncio. Um amor feliz precisa do turbilhão das palavras, das frases aparentemente inúteis e sem sentido, precisa de adjectivos, de elogios, do ruído das banalidades. Não há felicidade que não seja tantas vezes fútil, tantas vezes inútil."

"E ela dança" -  a minha cara!

"ensinou-me que só o olhar não mente e que todo o real é verdadeiro. Quem ler com atenção, verá que esta é a moral que atravessa toda a sua escrita."

..."nesse prazer prolongado de habitar entre duas fronteiras, a do sono e a da vida."

"Foi um processo longo e difícil, como sempre o são as aproximações entre duas pessoas habituadas a estarem sozinhas. Primeiro parece fácil, é o coração que arrasta a cabeça, a vontade de ser feliz que cala as dúvidas e os medos. Mas depois é a cabeça que trava o coração, as pequenas coisas que parecem derrotar as grandes, um sufoco inexplicável que parece instalar-se onde dantes estava a intimidade. É preciso saber passar tudo isso e conseguir chegar mais além, onde a cumplicidade - de tudo, o mais difícil de atingir - os torna verdadeiramente amantes."

"Gosto de espreitar o teu sono... à noite, quando dormes alheio a tudo, e eu fico a ouvir a tua respiração e a alisar os teus cabelos. Às vezes, chego a pensar que é um desperdício ir dormir, em lugar de ficar a ver-te dormir..."

"De seis em seis mil anos, eu preciso que o cometa volte e fique parado lá em cima a olhar-me. Preciso que me reduza a esta condição inicial, de homem com coração de criança que fica uma noite a olhar para o céu, como se entendesse. De seis em seis mil anos, preciso que o seu brilho me lembre que sou apenas um ínfimo grão de areia na imensa poeira do Universo."

"Eu deixei de ter Verões na praia e passei a ter «férias»..."

"Mas, afinal, o que se leva da vida, senão remorsos? Remorsos do que podia ter sido e não foi e do que se perdeu depois de ter sido. Remorsos do que devia ter sido dito e feito e não o foi a tempo ou do que foi demasiadamente dito e feito."

"... mil vezes as fraquezas humanas do que a arrogância por mandato divino."

"Enfim, acreditam nessa verdade, mais perigosa do que todas as outras, que é a possibilidade de um mundo perfeito."

"São herdeiros da civilização judaico-cristã e, sem o saber, abominam tudo o que representa a herança do mundo greco-romano e árabe que fez do Mediterrâneo uma civilização única e inimitável."

Eugênio de Andrade:
«Os navios existem
e existe o teu rosto encostado ao rosto dos navios
sem nenhum destino
flutuam nas cidades
partem no vento
regressam nos rios.»
«Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo onde tudo nos separa e divide...».

"Reconheço que as viagens são propícias ao amor, mas também a distância o é: nunca viajei sozinho que não quisesse regressar."

"...perguntam-me frequentemente o que é que eu lá procuro e o que é que encontro. E a esta pergunta, tão simples e tão vasta, costumo dar uma das minhas respostas preferidas: não procuro nada e não se encontra o que se procura, mas o que se encontra."

«C'était une histoire d'amour...»  Hélène de Beauvoir

"...mulheres de olhos oblíquos e corpo tenso, e outras sombras e sinais de um indecifrável silêncio."

"... essa é uma das funções da família: que cada geração imortalize as anteriores."

"A memória é a nossa escola da vida. É a nossa única verdadeira defesa contra a traição e o abandono. Tudo pode ser traído e abandonado, menos a memória. É mais fiel que qualquer amigo, é mais longa que a própria vida, é mais verdadeira do que  qualquer verdade que temos como certa."

«Há duas doenças em Portugal - a dos que comem muito e a dos que comem pouco»

«isto de se ser advogado e poeta é uma incompatibilidade absoluta. Para se ser advogado é preciso ter-se uma inteligência estúpida e o que eu tenho é uma estupidez inteligente».

"Quando morriam os que tinham amado aquela casa era como se se fundissem nela, sombras que o longo corredor guarda, indícios certos da continuidade das coisas, da lei da vida."

"É um livro sumptuoso, verdadeiro hino à África que foi desaparecendo e uma obra perturbadora, como todas as que falam dessa paixão violenta entre alguns homens brancos e a África negra."

"... a profundidade de campo - a perspectiva..."

"Seja como for, aquilo que é verdadeiramente marcante - e que justifica a selecção da descoberta da perspectiva como um dos factos do milénio - é que esta invenção não corresponde a uma simples representação do campo visual, mas a uma verdadeira atitude filosófica perante a vida. Ou seja: a perspectiva não é apenas um modo de representação do real, mas uma abordagem em perspectiva do real. E isto é extrapolável para todos os domínios do conhecimento e da sua representação - a arquitectura, a antropologia, a economia - e para todas as abordagens filosóficas perante a vida."
"É isto a perspectiva - a ideia de sobreposição, de continuidade, de harmonia."

"... isso inaugurou o que chamamos a perspectiva - o infinito e o relativo, simultaneamente."