domingo, 31 de maio de 2015

Vai muito ao encontro da minha opinião sobre o assunto...

"Vivemos tempos frenéticos. A cada década que passa o modo de vida de dez anos atrás parece ficar mais distante: dez anos viraram trinta, e logo teremos a sensação de ter se passado cinquenta anos a cada cinco. E o mundo infantil foi atingido em cheio por essas mudanças: já não se educa (ou brinca, alimenta, veste, entretém, cuida, consola, protege, ampara e satisfaz) crianças como antigamente:

O iPad/tablet, por exemplo, já é companheiro imprescindível nas refeições de milhares de crianças;
Em muitas casas a(s) TV(s) fica(m) ligada(s) o tempo todo na programação infantil – naqueles canais cujo volume aumenta consideravelmente durante os comerciais – mesmo quando elas estão comendo com o iPad/tablet  à mesa;
Muitas e muitas crianças têm atividades extra curriculares pelo menos três vezes por semana, algumas somam mais de 50 horas semanais de atividades, entre escola, cursos, esportes e reforços escolares.
Existe em quase todas as casas uma profusão de brinquedos, aparelhos, recursos e pessoas disponíveis o tempo todo para garantir que a criança “aprenda coisas” e não “morra de tédio”;
As pré escolas têm o mesmo método de ensino dos cursos pré vestibulares. 
Tudo está sendo feito para que, no final, possamos ocupar, aproveitar, espremer, sugar, potencializar, otimizar e, finalmente, capitalizar todo o tempo disponível para impor às nossas crianças uma preparação praticamente militar, visando o seu “sucesso”. O ar nas casas onde essa preocupação é latente chega a ser denso, tamanha a pressão que as crianças sofrem por desenvolver uma boa competitividade.

Porém, o excesso de estímulos sonoros, visuais, físicos e informativos impedem que a criança organize seus pensamentos e atitudes, de verdade: fica tudo muito confuso e nebuloso, e as próprias informações se misturam fazendo com que a criança mal saiba descrever o que acabou de ouvir, ver ou fazer.

Além disso, aptidões que devem ser estimuladas estão a ser deixadas de lado:

crianças não sabem conversar
não olham nos olhos dos seus interlocutores
não conseguem focar numa brincadeira ou actividade de cada vez (na verdade a maioria sequer sabe brincar sem a orientação de um adulto!)
não conseguem ler um livro, por menor que seja.
não aceitam regras
não sabem o que é autoridade.
pior e principalmente: não sabem esperar.
Todas essas qualidades são fundamentais na construção de um ser humano íntegro, independente e pleno, e devem ser aprendidas em casa, nas suas rotinas.

Precisamos parar. Parar e olhar em volta. Colocar a mão na consciência, tirá-la um pouco da carteira, do telefone e do volante: estamos  a enlouquer as nossas crianças, e estamos-las impedindo de entender e saber lidar com os seus tempos, os seus desejos, as suas qualidades e talentos. Estamos roubando o tempo precioso que os nossos filhos tanto precisam para processar a quantidade enorme de informações e estímulos que nós e o mundo lhes estamos dando.

Calma, gente. Muita calma. Não corramos para cima da criança com um iPad na mão a cada vez que ela reclama ou achamos que ela está sofrer de “tédio”. Não obriguemos a babá a ter um repertório mágico, que nem palhaços profissionais têm, para manter a criança entretida o tempo todo. O “tédio” nada mais é que a oportunidade de estarmos em contacto connosco, de estimular o pensamento, a fantasia e a concentração.

... o mundo está a sofrer de adultismo enquanto eu acredito fundamentalmente que sofremos de infantolatria...."

O poder da Fotografia

Para mim Fotografia é uma Arte e consiste essencialmente em captar e registar momentos. Fazê-los de alguma forma perdurar no tempo, mais do que a nossa memória permita, e com os seus detalhes originais (porque muitas vezes nós próprios vamos alterando detalhes das nossas próprias memórias...). 
Este registo de momentos pode ter diferentes objectivos. Pode servir apenas para mais tarde recordar, para alertar para determinada situação, para eternizar momentos da natureza, para dar a conhecer aos outros a nossa perspectiva sobre determinado sítio ou ocasião... mas uma coisa é certa: a visão em muito condiciona (ou influencia) o nosso pensamento e por conseguinte o nosso discernimento sobre as coisas. Uma imagem consegue chegar até ao nosso interior de uma forma muito mais rápida e eficaz do que o texto melhor escrito do mundo. Tal qual um medicamento injectado directamente na corrente sanguínea ao invés de ingerido tendo de aguardar a sua digestão para o devido efeito. Assim funcionam na nossa mente as imagens e as palavras, respectivamente.

E estas imagens.... bem estas imagens falam por si. A mim despertaram-me sentimentos e sensações tão diversas como carinho, altruísmo, raiva, ódio, tristeza, felicidade...

E a vocês?

Vejam e apreciem o efeito que cada imagem tem em vocês.


Uma das que mais me toucou, que me trouxe lágrimas aos olhos e me fez sentir uma vontade imensa de ir a correr abraçar aquele rapaz, foi esta:


Não por ele estar a chorar e se tratar de um funeral. Mas por tudo o que, a ser verdadeira a legenda da foto, está por detrás deste momento. Pobreza, violência, desespero e no meio desse caos um vislumbre de felicidade e de esperança através da amizade, da generosidade e da música. E esse vislumbre morreu para esta criança. Vejo amor nos olhos deste miúdo.

Quais as causas da doença, segundo a Medicina Tibetana

Será?!

"O princípio da Medicina Tibetana diz que tudo o que seja benéfico é medicina, e o que quer que traga infelicidade ou cause problemas é doença.

Todas as doenças que experienciamos no nosso corpo têm uma condição e uma causa. Existem quatro condições: clima desequilibrado, alimentação desequilibrada, comportamento do corpo e as bactérias.São estas quatro condições que fazem com que a doença não manifestada, se manifeste. Diz-se que todas as doenças são, primeiramente, não manifestadas. Pois as qualidades da doença já existem no corpo, mas são as quatro condições que fazem com que esta se manifeste.

Existem três causas de doença: ignorância, apego e raiva. Nós temos sempre estas três emoções não manifestadas. Quando estas se manifestam, causam doença física.

Assim como, quando as doenças físicas se manifestam, manifestam-se também as doenças mentais, que são as três emoções. Portanto, corpo e mente são interdependentes; afectam-se um ao outro.

Quando uma parte não está bem, afecta a outra. Quando a mente está em desequilíbrio isto afecta o corpo, e vice-versa. Além disto, se as condições exteriores – as quatro condições mencionadas acima – saírem do equilíbrio, também alterará o nosso equilíbrio físico. Uma mudança no equilíbrio físico afecta o equilíbrio da mente, são interdependentes. Assim sendo, se quisermos ter um corpo saudável e uma mente feliz temos que ter cuidado. Temos que cuidar os três níveis: os factores externos, o corpo e a mente.

Na Medicina Tibetana, todas as doenças são relacionadas com a bílis, fleuma e vento no corpo.
Bílis é o elemento fogo, Fleuma combina os elementos terra e água e o Vento é o elemento vento. Basicamente, todas as doenças – tudo – estão ligadas a estes elementos.

Adicionalmente, os tipos de doenças da Bílis, Fleuma e Vento estão ligados às três emoções negativas. A Bílis está relacionada com a raiva, a Fleuma está relacionada com a ignorância e o Vento está relacionado com o apego.

Em conclusão, o princípio da Medicina Tibetana diz que toda a doença é ignorância e que a derradeira Medicina é a sabedoria."

tirado daqui.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Surrealidades do meu dia-a-dia #24

Conversas mentais.

"- Tenho uma visão. - diz um dos lados.
 Responde o outro lado:  - E depois? Porventura pensas que podes mudar o mundo?! És apenas um homem... um entre tantos.
...
- Não sou apenas um homem! Sou um homem com uma visão!"

domingo, 24 de maio de 2015

Surrealidades do meu dia-a-dia #23

Encontrar na rua uma familiar que não víamos há imenso tempo. Muito contentes, falámos e tentámos pôr em dia as notícias mais importantes. Ao que a minha prima, muito bem-disposta e efusiva como sempre, de riso fácil, a falar muito alto enquanto contém uma gargalhada diz.... " ai prima... eu soube disso sim mas não pude ir. Olhe ainda ontem tive 4 funerais! ahahahahahha" (diz isto a rir em alto e bom som).

Entretanto por nós passou uma daquelas senhoras muito aparentemente respeitáveis. Uma espécie de beata... se é me que estão a entender. Não consigo descrever a expressão que ela fez quando ouviu a minha prima a falar com tamanha leviandade e à-vontade sobre funerais. E ainda por cima a rir sobre isso! Que sacrilégio...que pecado deve ela ter pensado e ao mesmo tempo, no auge da sua beatisse deve ter desejado ou rogado que a minha prima ardesse no inferno!!!

O que esta senhora não sabe é que... a minha prima trabalha numa agência funerária... e portanto é muito natural que aquilo que tanto perturba os outros (a morte...) para ela se trata apenas de produção. E quanto mais houverem... melhor!  Sinal de boa saúde... no emprego dela obviamente! :D :D :D

sábado, 23 de maio de 2015

Porquê?!

"Porque conhecer o outro lado... muda a nossa percepção. E às vezes é preciso caminhar silenciosamente por ruas desconhecidas."


Bom fim-de-semana a todos.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Boa semana ;)


Sonhar mas despertar. Despertar sem nunca deixar de sonhar. Esse é o caminho...

Boa semana para todos.

Beijinhos


Ao som de...

Eddie Vedder - Water On The Road [2011] Full concert

Serendipity

Que eu saiba, até há bem pouco tempo esta palavra não tinha tradução para português. E é só assim uma das minhas palavras (e significado) favoritas. SERENDIPITY. Simboliza algo de positivo que acontece por acaso. Um feliz acaso. Como sinto serem a maior parte das coisas na minha vida. Eu pelo menos vejo-as assim. Porque não planeio muito. As coisas simplesmente vão acontecendo e surgindo. Como que por acaso. Felizmente. :)

se·ren·di·pi·da·de 
(inglês serendipity)
substantivo feminino
1. A faculdade ou o acto de descobrir coisas agradáveis por acaso.
2. Coisa descoberta por acaso.

:) ;)

Gosto. Muito.

Poison & Wine | The Civil Wars

"You only know what I want you to
I know everything you don't want me to
Oh your mouth is poison, your mouth is wine
You think your dreams are the same as mine
Oh I don't love you but I always will
Oh I don't love you but I always will
Oh I don't love you but I always will
I always will

I wish you'd hold me when I turn my back
The less I give the more I get back
Oh your hands can heal, your hands can bruise
I don't have a choice but I'd still choose you

Oh I don't love you but I always will
I always will"

Surrealidades do meu dia-a-dia #22

Chegar à praia bem cedo de manhã. Chegar e ter a praia inteirinha só para mim! Acreditem foi um momento muito especial porque uma das razões pelas quais eu por vezes digo não gostar desta praia é precisamente o facto de ter cada vez menos areal e tanta gente  durante a época alta que é impossível estar lá nessa altura. Dá raiva chegar à praia num abrasador dia de Agosto e simplesmente não ter um espacinho onde nos possamos sentar (já nem digo deitar!!!). Ora bem... agora foi a desforra! Chegar à praia (em pelo mês de Maio, é certo...) e não estar lá ninguém. Nem uma única alminha. Senti-me um pouco sozinha mas rapidamente essa sensação deu lugar ao contentamento de estar ali à vontade, e sentir que aquele sítio, naquele momento, aquela magnífica vista sobre o mar, era só minha! Espectáculo!

Passados mais ou menos uns 10 minutinhos de Forever (Happy and Enjoying) Alone :) eis que chegam dois casais de meia-idade. Nortenhos. Muito faladores e barulhentos. Chegam à praia e no meio de todo daquele areal livre colocam o seu chapéu de sol e a sua rica toalhinha... onde?!?! Pegadinhos a mim. De tal forma que quem olhasse podia bem pensar que eu pertencia à família. A tolha de uma das senhoras estava uns bons 50 a 60 cm da minha, no lado direito superior! Yap! Isto só pode ser sina! (a par dos cabeçudos que se sentam sempre à minha frente no cinema, tenho outra sina que é estar na praia e quando dou por isso um/a desconhecido/a está pegadinho a mim de tal forma que se esticar um bocadinho fico com os pés na toalha do dito/a cujo/a... tenho outras sinas mas é um rol um bocado grande, de forma que fica para outros carnavais...).
Passados mais uns minutinhos chega a 3.ª utente da praia. Que, vim a perceber, conhecia os meus vizinhos. Onde é que ela se foi "abancar"?! Adivinhem.... não é difícil.... LOL Pois que a senhora colocou a toalhinha do meu lado esquerdo superior, também muito pertinho. De mim e dos meus recentes vizinhos. Pronto, Xeque-Mate.

Portanto... aquela cena da praia só para mim foi sol de pouca dura. Foi muito bom enquanto durou. A partir daí... também foi bom! Foi gozar o excelente dia que estava, resignada à minha condição de "parece que tenho mel" e ficar a par da vida dos meus vizinhos. Eram de Braga. Imigrantes já reformados. Daqueles que trouxeram muita riqueza para o país. Que investiram cá e agora estão assim-assim arrependidos mas simultaneamente divididos entre o facto de terem vindo a comprovar que aquilo que investiram pouco ou nada lhes rendeu mas que esta é a sua Pátria.... e muitas mais coisas... até quanto é que pagam de IRS! Vejam só o nível de pormenor! :) No final até gostei deles. Eram pessoas simpáticas, abertas e muito presentes e conscientes do que se está a passar no nosso país. Muito interessantes portanto.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

quarta-feira, 13 de maio de 2015

"Secalhando" é isto que me anda a acontecer!


Tenho reparado, com alguma desaprovação e um já diminuto estado de negação, que à medida que os anos vão passando estou a ficar mais gorduchita. Na infância fui uma olivia palito autêntica, na adolescência a coisa recompôs-se, e agora (praticamente uma quase ainda adolescente que sou...eheheh) estou a engordar aos poucos. E sem razão aparente. Não mudei a alimentação, faço desporto e mil outras coisas em que me meto sendo portanto muito activa, mas de repente a roupa parece-me estar toda apertada. Detesto isso!
O meu lado vaidoso e de gaja não está a gostar nada, nada, mas mesmo nada disto!!!
Tenho dito!

domingo, 10 de maio de 2015

Boa semana para os... macacos! :P

Leituras - "Kama Sutra"

de Vātsyāyana. (Escrito algures entre 100 a 400 anos D.C.)



"Kamasutram, geralmente conhecido no mundo ocidental como Kama Sutra, é um antigo texto indiano sobre o comportamento sexual humano, amplamente considerado o trabalho definitivo sobre amor na literatura sânscrita. O texto foi escrito por Vatsyayana, como um breve resumo dos vários trabalhos anteriores que pertencia a uma tradição conhecida genericamente como Kama Shatra.
Ao contrário do que muitos pensam, o Kama Sutra não é um manual de sexo, nem um trabalho sagrado ou religioso. Ele também não é, certamente, um texto tântrico. Na abertura de um debate sobre os três objectivos da antiga vida hindu - Darma, Artha e Kamadeva - a finalidade do Vatsyayana é estabelecer kama, ou gozo dos sentidos, no contexto. Assim, Darma (ou vida virtuosa) é o maior objetivo, Artha, o acúmulo de riqueza é a próxima, e Kama é o menor dos três.” — Indra Sinha.
Kama é a literatura do desejo. Já o Sutra é o discurso de uma série de aforismos. Sutra foi um termo padrão para um texto técnico, assim como o Yôga Sútra de Pátañjali. O texto foi escrito originalmente como Vatsyayana Kamasutram (ou "Aforismos sobre o amor, de Vatsyayana")." in Wikipedia

A minha curiosidade em ler este livro era precisamente saber em que se baseava o Kama Sutra, como eram apresentadas as sugestões e qual o seu verdadeiro intuito. E descobri que não se trata efectivamente de um manual erótico ou meramente sexual. Trata-se acima de tudo de um escrito ancestral sobre as relações de amor e paixão. São evidentes as expressões e raciocínios próprios da época, da cultura, da religião e do país onde foi concebido. A forma como as relações devem começar, qual o seu propósito, e como é que fisicamente o amor pode revelar-se entre pessoas que se amam. No centro de todas as questões (e posições) está o amor, e só depois o desejo.
Para além de todas as questões abordadas e sua envolvência, o mais importante a reter é que cada um deve explorar e aperfeiçoar os seus sentidos, explorar aquilo que lhe dá e ao seu/sua companheiro/a mais prazer, sem nunca perder de vista a virtuosidade e sentido no que fazem juntos, naquela que deve ser sempre uma união sagrada.

Frases ou ideias de que gostei particularmente:

"O simples conhecimento basta para tornar uma mulher atraente..."

"... a consciência do prazer nos homens e nas mulheres, são diferentes. A diferença nas tarefas, pela qual os homens são agentes e as mulheres são as receptoras da acção, devem-se à natureza do macho e da fêmea. Um homem pensa "Esta mulher está unida comigo" e uma mulher pensa "Estou unida com este homem.""

"O Amor pode ser de quatro tipos: adquirido por hábito continuado, resultante da imaginação, resultante da crença, e resultante da percepção de objectos externos."

"... um abraço como "mistura de leite e água"..."

"Vatsyayana crê que qualquer coisa poderá ocorrer em qualquer momento, pois o amor não se verga ao tempo e à ordem."

"... necessidade de variação no amor, devendo o amor, de igual modo, ser produzido através da variação..."

"Se homens e mulheres agirem de acordo com os gostos de cada um, o seu amor recíproco não diminuirá nem mesmo com a passagem de 100 anos."

"... desfrutar..."

"A união sexual é comparável a um combate pelas contrariedades do amor e pela sua tendência para a disputa."

"... as características da virilidade consistem em dureza e impetuosidade, enquanto que a frqueza, ternura, sensibilidade e uma inclinação para fugir de coisas desagradáveis são marcas distintivas da feminilidade."

"Mas, afinal, sendo que estes actos se praticam em segredo e que a mente do homem é volúvel, como poderá saber-se o que qualquer pessoa fará em qualquer momento e por um propósito específico?"

"A união poderá ser do tipo: amorosa, de amor subsequente, de amor artificial, de amor transferido, como a dos eunucos, enganadora ou de amor es+espontâneo."

"... a mulher deverá abraçá-lo, dirigindo-lhe palavras de censura, mas, ao mesmo tempo, manifestando desejo de união."

"Um homem que empregue as sessenta e quatro artes referidas por Babharavya conquista o seu objectivo e desfruta das mulheres de primeira qualidade."

"... por mais tímida ou irada que uma mulher se sinta, nunca deixa de atender a um homem que se ajoelha a seus pés..."

"Desta e de outras formas, tal como o medo e a confiança são criados na mente das crianças, deverá o homem submetê-la aos seus desejos."

"Aquele que souber fazer-se amar pelas mulheres e que souber também aumentar a sua honra e criar nelas confiança, torna-se um objecto do seu amor."

"...  da forma de funcionamento da mente feminina..."

"... se apreciar a prestidigitação..."

"De todos os amantes de uma rapariga, o seu verdadeiro marido será apenas aquele que possuir as qualidades que lhe agradarem e tal marido goza de superioridade apenas por ser o que ama."

"lingam" e "yoni"

"Não deverão aplicar-se meios que sejam duvidosos nos seus efeitos, que possam provocar ferimento ao corpo, que envolvam a morte de animais ou que nos coloquem em contacto com coisas impuras. Apenas poderão usar-se meios que são puros, reconhecidos como bons e aprovados por Brâmanes e amigos."

"Um acto nunca será olhado com indulgência apenas por ser autorizado pela ciência porque deverá recordar-se que a ciência pretende que as regras nela contidas sejam seguidas apenas em casos particulares. Depois de ler e meditar sobre os trabalhos de Babhravya e de outros autores antigos, pensando no significado das regras por eles referidas, foi elaborado o Kama Sutra, de acordo com os preceitos dos Santos Escritos, para benefício do mundo, por Vatsyayana, levando vida de discípulo religioso e totalmente dedicado à contemplação da Divindade.
Este trabalho não deverá ser usado apenas como instrumento para satisfazer os nossos desejos.
Uma pessoa versada nos verdadeiros princípios desta ci_ciência, e que preserva o seu Dharma, o seu Artha e o seu Kama, respeitando as práticas dos povos, obterá certamente o domínio sobre os seus sentidos.
Uma pessoa inteligente e prudente, atentando ao Dharma, ao Artha e também ao Kama, sem se deixar escravizar pelas suas paixões, obtém sucesso em tudo o que possa realizar."

sábado, 9 de maio de 2015

domingo, 3 de maio de 2015

Piropo preferido do momento

An awsome simpson's quote:

"Hey, are you jamaican?!.... 'cause jamaican me crazyyyyyyy!"

:) é ou não muito muito boa?!!! :D :D

Surrealidades do meu dia-a-dia #21

Entramos num restaurante na praia à beira-mar.

Empregado - "Olá boa tarde! O que vão desejar para almoçar?"

Nós - "Olhe como é que é com o sushi? Vimos o menu lá fora, no balcão à porta do restaurante, mas neste que nos entregou não aparece nada de sushi..."

Empregado - "Ah pois não, isso do sushi é só lá fora (é uma área tipo lounge que o restaurante tem) onde servem bebidas e pequenas refeições. A gente aqui é peixe. Só peixinho bom!"

Nós - ... (a tentar conter o riso)... "Ah sim sim, muito bem, então nós vamos escolher aqui do menu que nos entregou."

Obviamente que escolhemos peixe. Mas alguém por favor elucide aquele simpático senhor que o sushi é feito com...tchantantantan... PEIXE! (e do bom! Espero eu!)