sábado, 28 de fevereiro de 2015

50 shades of grey -Soundtrack

Não vi o filme mas a banda sonora é só assim qualquer coisa de MUITO FIXE! :) Apreciem lá ;)

Fifty Shades Of Grey - Various Artists (OST) 2015

Atão façam favori de ter um fim-de-semana mûnta boum! :D


Que é o mesmo que dizer "Cada um tem o que merece.". Será?! Ou antes, que cada um tem o que tem capacidade para lidar. O que não é necessariamente a mesma coisa, convenhamos...

Qual és?!


terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Óscares 2015

Estive a ver (quer dizer... mais concretamente estive a "dar uma olhadela"...) aos Óscars 2015, a 87.ª gala de entrega dos prémios da indústria cinematográfica americana.
Ainda não vi Birdman que ganhou melhor filme, mas depois desse prémio, dou atenção aos prémios para melhores actores e... para as bandas sonoras e melhor música. Esta última foi para Glory do filme Selma (que também ainda não vi) e aquela para Budapest Grand Hotel (que... shame on me... também aínda não vi!). Conclusão... dos vencedores só vi Teoria do Tudo, que ganhou para melhor actor principal.

Lista dos vencedores da noite:

- Melhor Filme: «Birdman» 

- Melhor Ator Principal: Eddie Redmayne, em «A Teoria de Tudo» 

- Melhor Atriz Principal: Julianne Moore, em «Still Alice» 

- Melhor Ator Secundário: J. K. Simmons, em «Whiplash - Nos Limites» 

- Melhor Atriz Secundária: Patricia Arquette, em «Boyhood» 

- Melhor Realizador: Alejandro González Iñárritu, com «Birdman» 

- Melhor Argumento Original: «Birdman» 

- Melhor Argumento Adaptado: «O Jogo da Imitação» 

- Melhor Guarda-Roupa: «O Grande Hotel Budapeste» 

- Melhor Caracterização: «O Grande Hotel Budapeste» 

- Melhor Filme Estrangeiro: «Ida», da Polónia 

- Melhor Curta-Metragem: «The Phone Call», de Mat Kirkby e James Lucas 

- Melhor Curta Documental: «Crisis Hotline: Veterans Press 1», de Ellen Goosenberg Kent e Dana Perry 

- Melhor Mistura de Som: «Whiplash - Nos Limites» 

- Melhor Montagem de Som: «Sniper Americano» 

- Melhores Efeitos Especiais: «Interstellar» 

- Melhor Curta de Animação: «Feast» 

- Melhor Filme de Animação: «Big Hero 6» 

- Melhor Direção Artística: «O Grande Hotel Budapeste» 

- Melhor Fotografia: «Birdman» 

- Melhor Montagem: «Whiplash - Nos Limites» 

- Melhor Documentário: «Citizenfour» 

- Melhor Música: «Glory», do filme «Selma» 

- Melhor Banda Sonora: Alexandre Desplat, de «O Grande Hotel Budapeste»


Não percebo como é que Interstellar não teve destaque nesta edição dos Óscares... :(  Mas pensando bem há tantos outros filmes  espectaculares que saem todos os anos e não chegam sequer a ser mencionados neste tipo de entrega de prémios, assim como há os muito falados e que a nós não nos dizem nada. Trata-se portanto (e não me venham cá com merdas (!#$%!/&) sobre a profundidade dos temas e a intensidade dos papéis...) de uma festa em que se fala de alguns filmes que alguns senhores escolheram porque gostaram daqueles filmes, pessoal e subjectivamente, em alguns aspectos! Isso e obviamente constatar que filmes com maior orçamento têm maiores probabilidades de serem grandes êxitos e portanto serem mais falados e abordados nestas ocasiões.
Uma vénia portanto a todos os outros excelentes filmes que não são falados, não são aclamados, mas são tão bons ou melhores do que os que brilham nos óscares e nas outras entregas de prémios do cinema. Todo o filme que nos toque, nos sensibilize, nos faça pensar, rir e/ou chorar... é sempre um excelente filme!

Ah e mais uma coisinha... porque também adoro ver os outfits... para mim, as mais bem vestidas foram:
 Gwyneth Paltrow - Ralph & Russo

Cate Blanchett - Maison Margiela

Paige Butcher - 
(quase ninguém falou deste vestido mas eu achei-o lindo!)

Karolína Kurková - Marchesa
Morgot Robbie - Saint Laurent

Quem tiver curiosidade e gostar de ver os pormenores sobre as roupas e afins... veja aqui.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Bom fim-de-semana (salvé!)


Toca a ter um excelente fim-de-semana! Com muito sol, passeio, descanso, e amor!

Beijinhos!

Olhá música portuguesaaaaaa!

Bom som, e em português ;) (ou melhor... de portugueses!)

Diogo Piçarra - Tu E Eu


D.A.M.A - Secrets in Silence (ft. Mia Rose)

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Boa semana!


Adoro esta foto. Adoro felinos. Adoro o olhar. Adoro o focinho. Adoro os bigodes. :) Adoro a presença e atitude, sem ter de fazer nada em especial. Adoro!

Já disse que adoro esta foto?! :D

Boa semana para todos!

Beijinhos

Clap Clap Clap!

Não ligo puto a futebol. Gosto que ganhe a minha selecção e fico-me por aí. Mas esta notícia sobre o jogador sueco Zlatan Ibrahimovic não me passou despercebida.
Curvo-me perante o seu gesto. De usar a fama para chamar a atenção daqueles que... não são famosos, não têm atenção, são muitos, e...  com fome!

Bonito gesto e excelente ideia! ;)

805 Million Names – Zlatan Ibrahimović


"On 14 February 2015, Paris Saint-German played against Caen at Parc des Princes. For most players this game was just another day on the job. For Zlatan Ibrahimović this was his most important game to date."

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Adoro...

Coldplay - Ink

Para quem está a precisar de dar umas boas gargalhadas...

(recebi o que se segue por e-mail. Se são verídicos estes excertos de relatórios não sei, mas lá que são hilariantes... lá isso são!!) Divirtam-se (tanto como eu!) :))))))

Relatórios elaborados pela GNR e PSP
> Relatórios elaborados pela GNR e PSP, peças processuais e diligências efetuadas:

> - Um agente da PSP desloca-se à residência de um casal que anda desavindo e escreve no auto de notícia que: "o sr. João anda muito frustrado porque pagou cerca de 5 mil euros pelos implantes mamários da sua mulher e suspeita que outro cidadão está a usufruir desses dividendos".
> ---------------------------------------------------------------------------
> "...danificou vários objetos na habitação incluíndo o otoclismo..."
> -------------------------------------------------------------------------------------------------------
> - Escrevia um PSP num auto de notícia:"Numa acção de fiscalização, estando eu de arvorado ao carro patrulha, mandei parar o veículo supra identificado e pedi ao condutor os documentos pessoais e da viatura. Em resposta, disse-me aquele que se o autuasse me iria ao cú, o que fez três vezes."
> ----------------------------------------------------------------------------
> - A GNR participa acidente e explica que "naquele local o asfalto da estrada era de terra batida".
> ---------------------------------------------------------------------------
> - O gatuno era "herdeiro e vozeiro naquele tipo de condutas".
> ---------------------------------------------------------------------------
> - Auto de notícia em que se diz que a ofendida foi encontrada em "lã-jeri".
> -----------------------------------------------------------------
> - O arguido era "de raça nómada".
> --------------------------------------------------------------------
> - Auto de notícia em que a GNR denuncia o furto de 24 galinhas das quais uma era galo.
> --------------------------------------------------------------------
> - O arguido resolve acabar o seu requerimento de uma forma cordial: "Pede deferimento" e logo a seguir ... "As minhas sinceras condolências".
> ----------------------------------------------------------------------------
> - "O denunciado proferiu vários impropérios na Língua de Camões e também em língua francesa"
> ----------------------------------------------------------------
> -"O individuo trazia o produto estupefaciente junto do órgão genital masculino vulgo pénis"
> ----------------------------------------------------------------------
> - Diligência de inquérito: "Solicite à PSP que, em 48h, diligencie por identificar o denunciado que se sabe ter cerca de 16 anos e usar boné"
> -------------------------------------------------------------------
> - Quem comete o crime de "borla" é um "borlista" profissional.
> --------------------------------------------------------------------
> - Auto de denúncia : "enquanto proferiam tais ameaças permitiam-se ainda chamar nomes ofensivos tais como "puta, vaca, jornalista, advogada, ladra, que era boa era para ir para a Ordem dos Advogados".
> -----------------------------------------------------------------
> - Um arguido antes de bater no ofendido atirou-lhe com uma caixa em plástico, "nomeadamente um tampa-roer".
> ------------------------------------------------------------------------
> - "O arguido atirou um paralelo-ipípado".
> --------------------------------------------------------------------
> - "O arguido trazia uma techerte azul às riscas".
> -------------------------------------------------------------------------
> - "Os meliantes colocaram-se em fuga, ao volante de uma Picap"
> --------------------------------------------------------------------------
> - Na sequência de uma queixa por crime de furto de um veículo a GNR informa que recuperou a dita viatura no entanto a mesma vinha cheia de moças.
> ---------------------------------------------------------------------------
> - Caso de uma averiguação de causa de morte em que foi determinada a "autópsia parcial" do cadáver.
> ----------------------------------------------------------------------------
> Exmo Sr. Procurador
> Venho comunicar a Vª. Exa. que na EN que liga Penamacor ao Sabugal foi encontrado um cadáver morto, que pela fala parece ser espanhol...
> ------------------------------------------------------------------------------------------
> O morto morreu com três tiros. O primeiro mortal e os outros sem consequências.



Para quem gosta de ver fotografia a 360º

(e de viajar sentado na cadeira) sff vá aqui!

Wow!!!

Perspectivamente falando.... estas imagens metem respeito...

Chasing Ice - largest glaciar claving ever filmed

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Fofuras... Boa Semana!


Boa semana... :)

Beijinhos.

Mood tonight

London Grammar - Strong

London Grammar - If You Wait

Acerca do assunto/polémica da Hepatite C e o novo medicamento... leiam esta interessante opinião

Na fila para morrer de hepatite C - PEDRO SOUSA CARVALHO 

"Hepatite C. É um assunto em que é fácil ser-se demagógico, que até apetece ser-se demagógico e em que sentimos uma revolta que nos empurra para a demagogia. Mas é um assunto em que devemos pelo menos tentar não o ser. Não quer dizer que daqui a umas linhas não o sejamos. Vamos por partes.

Esta semana, Paulo Macedo foi ouvido no Parlamento a propósito dos problemas nas urgências dos hospitais públicos, depois da morte de sete doentes que supostamente esperaram em demasia para serem atendidos. Como se o assunto em si já não fosse suficientemente confrangedor, o tema acabou por ser abafado por um outro caso, igualmente confrangedor, o da doente do Hospital de Egas Moniz com Hepatite C que morreu, alegadamente, por não ter tido acesso a um medicamento inovador que está a ser negociado com a farmacêutica norte-americana Gilead.

Não é de hoje que Portugal é confrontado pelo problema da escassez/racionamento de medicamentos. Foi há três anos que o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida emitiu um parecer em que defendeu que o Ministério da Saúde “pode e deve racionar” o acesso a tratamentos mais caros para pessoas com cancro, sida e doenças reumáticas. Ao murro de estômago e ao choque inicial seguiu-se a evidência de que o país simplesmente não tem dinheiro para gastar um milhão de euros a tratar um doente em fase terminal se esse tratamento apenas proporcionar mais uns dias de vida extra.

No caso da hepatite C existe na Europa, desde Janeiro de 2014, um medicamento que cura a doença em mais de 90% dos casos. O problema é que custa 42 mil euros. Neste caso não estamos a falar de uns dias de vida extra, o extra é o resto da nossa vida. Assim se percebe a revolta de José Carlos Saldanha que esta semana irrompeu por uma sala adentro do Parlamento para pedir a Paulo Macedo: "Não me deixe morrer!". Estar doente com hepatite C há 18 anos e não haver uma cura no mercado é uma coisa, é uma fatalidade, é um azar. Estar doente e saber que existe uma cura à distância de 42 mil euros é revoltante. José Carlos Saldanha acabou por sair voluntariamente da sala, pedindo “perdão” pela intromissão nos trabalhos. Mas alguém devia pedir perdão ao José Carlos.

A culpa não é de Paulo Macedo. Haverá com certeza alguma coisa a melhorar na organização do SNS. No caso da doente com 51 anos que morreu depois de esperar quase um ano pelo Sofosbuvir não se percebe o arrastar dos prazos (o primeiro pedido foi feito em Julho) e o facto de a Gilead ter dito que comunicou ao Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental a disponibilidade para fornecer o medicamento e, ao mesmo, tempo alegar não ter recebido qualquer nota de encomenda.

Mas o problema de fundo é outro; é um problema de moral e de aritmética. Se temos em Portugal 13.015 doentes a precisar do medicamento para a hepatite C, e se cada tratamento com o fármaco inovador pode custar até 100 mil euros, estamos a falar de uma absurda e pornográfica quantia de mil milhões de euros que o SNS teria de pagar à farmacêutica norte-americana. Claro que é fácil e até é correcto dizer que a “vida não tem um preço”. Mas a verdade é que neste caso a vida humana tem um preço; custa 42 mil euros. É revoltante observar que o mercado dos medicamentos que salvam vidas é gerido pelas mesmas leis de procura e oferta que gerem o mercado da batata ou da cebola. Sem qualquer cedência ou ponderação moral.

A lógica é esta. Se o vírus do ébola ataca mais países insolventes em África não vale a pena investir muito na cura já que o retorno não será grande coisa. Mas na hepatite C, como dizia Correia de Campos, existe um abundante mercado solvente e rico; como tal toca a descobrir uma cura e a cobrar preços exorbitantes. E no caso da hepatite C estamos a falar de uma política de preços e de maximização de lucros de fazer inveja a qualquer guru de Wall Street. Em mercados com grande incidência de doenças ou menos poder de compra, como o Egipto, a farmacêutica pede menos de 1000 euros pelo Sofosbuvir. Na Europa pede 25 mil ou 42 mil euros, conforme lhe dá na gana.

E quanto é que custa à empresa a produzir esse medicamento? Dizem que andará à volta dos 60 a 120 euros por tratamento. A senhora que morreu no Hospital de Santa Maria morreu por não ter conseguido ter acesso a uma coisa que custa 60 a 120 euros a produzir? Claro que os laboratórios têm de se pagar os milhões que gastam em investigação, inovação e as promessas de cura que nunca saíram do papel ou do laboratório. No caso de Gilead sabe que produz um medicamente para uma doença que, ao contrário de por exemplo a diabetes, pode mesmo ser erradicada. E isso significa menos lucros no futuro. Mas daí até cobrar uma barbaridade vai uma grande distância. Segundo o Wall Street Journal, a Gilead vai facturar este ano 27 mil milhões de dólares nos EUA e na Europa, depois de ter registado lucros de mais de 12 mil milhões.

Claro que há uma forma mais eficaz de combater este mercantilismo. E nem sequer é preciso chegar ao ponto de nacionalizar patentes como fez Lula no Brasil. Combata-se a procura de lucro excessivo pelas próprias leis de mercado. Paulo Macedo chegou a propor no ano passado uma negociação a nível de alguns Estados-membros da União Europeia para que a negociação com a Gilead se fizesse de forma concertada. À vontade de lucrar da Gilead, a União Europeia contrapunha uma carteira de 7,3 a 8,8 milhões de doentes com hepatite C que existem na Europa. A União Europeia continua disfuncional e a ideia de Macedo acabou por cair por terra. Carlos Zorrinho e um conjunto de eurodeputados socialistas espanhóis vão tentar ressuscitar o tema e levá-lo a debate ao Parlamento Europeu. Sabendo que existe uma cura, a pressão sobre os governos é enorme. O tempo corre contra Macedo e a favor das farmacêuticas.

José Carlos Saldanha recebeu ontem ao final do dia a notícia de que vai receber o medicamento inovador. E saiu da fila daqueles que esperam para morrer."

Um bocadinho de Cosmologia

Para quem, como eu, gosta do assunto, relacionado com o universo, o tempo, a origem das coisas... vai gostar deste artigo.

E... já vão dormindo juntos (não agarradinhos.... mas juntos!)

Da última vez que dei notícias do meu pessoal felino ainda estavam em fase de aceitação.  E eu na fase de "cabelos em pé"!! Sinceramente achei que os arrufos e os miados guturais e as patadas nunca fossem afinal passar. E teria de acostumar-me a isso, assim como eles. Mas... eis que volvidas poucas semanas desde essa altura, os bichanos , ou melhor a relação dos bichanos, está muito mais afável, calma e aquilo por que tanto ansiava aconteceu naturalmente... Já se suportam perto um do outro! Já dormem os dois no meu colo ou no sofá, perto um do outro! (Foguetes! Champanhe! Confettis!!)

Aqui estão as provas :)





Estão fofinhos ou quê?! :) :P :D Iupiiiiiiiiii!

"Invisibilidade Pública"... dá que pensar.

Os seres humanos conseguem ser, entre si, as criaturas mais altruístas e afáveis e simultaneamente as mais cruéis e frias. Talvez a complexidade da nossa existência resida nisso mesmo. Na dualidade que "conseguimos" ser, a cada instante. De bestiais a bestas, e vice-versa.
Já pensaram que um simples olhar, um sorriso, um "bom dia" podem significar muito e mudar o dia de alguém?
A pior coisa que se pode fazer a alguém é ignorar essa pessoa. Mesmo.

Para pensar.

"UMA LIÇÃO DE HUMILDADE

Um psicólogo fingiu ser varredor durante 1 mês e viveu como um ser invisível.

O psicólogo social FB da Costa vestiu a farda de varredor durante 1 mês e varreu as ruas da Universidade de São Paulo, onde é professor e investigador, para concluir a sua tese de mestrado sobre 'invisibilidade pública'. Ele procurou mostrar com a sua investigação a existência da 'invisibilidade pública', ou seja, uma percepção humana totalmente condicionada pela divisão social do trabalho, onde se valoriza somente a função social e não a pessoa em si. Quem não está bem posicionado sob esse critério, torna-se uma mera sombra social. Constatou que, aos olhos da sociedade, os trabalhadores braçais são 'seres invisíveis, sem nome'.
...
Ele trabalhava apenas meio dia como varredor, não recebia o salário de R$ 400 como os colegas, mas garante que teve a maior lição de sua vida: “Descobri que um simples BOM DIA, que nunca recebi como varredor, pode significar um sopro de vida, um sinal da própria existência”, explica o investigador. Diz que sentiu na pele o que é ser tratado como um objeto e não como um ser humano. “Os meus colegas professores que me abraçavam diariamente nos corredores da Universidade passavam por mim e não me reconheciam por causa da farda que eu usava.”

- O que sentiu, trabalhando como varredor?
Uma profunda angústia. Uma vez, um dos varredores convidou-me para almoçar no refeitório central. Entrei no Instituto de Psicologia para levantar dinheiro, passei pelo piso térreo, subi as escadas, percorri todo o segundo andar, passei pela biblioteca e pelo centro académico, onde estava muita gente conhecida. Fiz todo esse percurso e ninguém EM ABSOLUTO ME RECONHECEU. Fui inundado de uma indescritível tristeza. 

 - E depois de um mês a trabalhar como varredor? Isso mudou? Fui-me habituando a ser ignorado. Quando via um colega professor a aproximar-se de mim, eu até parava de varrer, na esperança de ser reconhecido, mas nem um sequer olhou para mim.

- E quando voltou para casa, para o seu mundo real, o que mudou? Mudei substancialmente a minha forma de pensar. A partir do momento em que se experiência essa condição social, não se esquece nunca mais. Esta experiência mudou a minha vida, curou a minha doença burguesa, transformou a minha mente. A partir desse dia, nunca mais deixei de cumprimentar um trabalhador. Faço questão de o trabalhador saber que eu sei que ele existe, que é importante, que tem valor. Aprendi verdadeiramente, com esta experiência, o valor da dignidade."

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Brrrrrrrrrr!


Vem aí uma vaga de frio (dizem eles, os senhores da meteorologia...)... portanto(s)... pelo sim pelo não... abriguem-se, abafem-se! E se puderem olhem.... avinhem-se também!!! Diz que é a melhor maneira de prevenir e curar a gripe! "Abafa-te e avinha-te". Os antigos assim o diziam... :)

Meditadion time

Jan Garbarek & Ustad Fateh Ali Khan - Ragas and Sagas

Muito, muito bom... ;)