quarta-feira, 29 de julho de 2015

Receitas: Doce de Tomate a la Ana Di!

Ora bem... embora seja o meu doce preferido nunca me tinha aventurado a fazer o doce de tomate. Esta foi a vez!
Informei-me aqui e ali, perguntei a várias pessoas, li várias receitas, e acabei por criar a minha! Sim, porque para além do facto de não usar balança nos meus cozinhados (sim... faço quase tudo "a olho"), quando me sinto criativa e inspirada sei que vai correr bem (...faço figas!! lol) e gosto de alterar ou introduzir novos ingredientes nas receitas e realmente até à data não tem corrido mal!

Tinha destinado já alguns quilos de tomate (carnudo e maduro) para fazer o doce. Aqui vão os passos:

1 - Pelar o tomate - aqui usei uma técnica que vi na internet e deu imenso resultado. Começamos por cortar a pele na base do tomate fazendo uma espécie de cruz (são estas pontas que depois iremos puxar para pelar o tomate) - ver foto abaixo. Colocam-se os tomates em água a escaldar e de seguida em água gelada. Em meros segundos estão prontos a pelar. Puxamos cada ponta da cruz que fizemos anteriormente e a pele sai muito fácil e rapidamente.


2 - Todas as receitas dizem param pelar e "sangrar" (tirar líquido e sementes) o tomate. Mas eu não fiz isso. Apenas pelei o tomate, e cortei em pedaços. (porquê? Porque gosto de encontrar as sementes do tomate e porque o seu líquido é precioso de forma que não me apeteceu desperdiçá-lo e além disso tinha tempo... sim porque sabia que assim o preparado ia ficar mais líquido e demoraria mais tempo a cozer. Portanto quem não tiver muito tempo faça favor de não fazer o que eu fiz!).

3 - Coloquei tudo na panela onde iria fazer o doce e usei a varinha mágica para triturar tudo (deixei ficar um ou outro pedaço de tomate). Ficou de facto muito líquido mas não me assustei... :)


4 - Agora aqui é que entram as medidas. Portanto, era uma panela grande quase cheia pelo que comecei por usar 1kg de açucar amarelo. O que queria fazer era 0,5kg de açucar para 1kg de tomate. Provei. Como achei pouco doce fui adicionando açucar até sentir que já estava doce. Acabei por usar 1,5kg de açucar para aquilo que calculei como 3kg de tomate pelado.
Para cortar com a acidez do tomate coloquei sal qb.
Coloquei dois paus de canela.
Adicionei canela em pó a meu gosto (sim, adoro canela!)
E por fim, para além da casca de limão que as receitas tradicionais dizem... adicionei também o sumo de um limão pequeno.
Prova-se e verifica-se se está a gosto.
Se sim, colocar ao lume, primeiro na potência máxima até ferver, e depois no mínimo, mexendo regularmente.

5 - Quando, já depois de ter colocado no mínimo, e já passadas algumas horas (no meu caso foram cerca de 5 horas...) o preparado começar novamente a ferver, a borbulhar, a fazer uma espécie de espuma, e a querer engrossar, não se deve parar de mexer para não deixar queimar. Muito cuidado nesta fase com os salpicos sob risco de se queimaduras!!


6 - Quando o doce fizer estrada (i.e. colocam um bocadinho num prato e passam com a colher ao meio e a separação ou estrada fica intacta), o doce está pronto! Nesta fase pode deixar-se engrossar mais ou menos consoante os gostos, mexendo sempre.
No meu caso o doce já pronto ficou em 1/3 da quantidade que estava na panela quando comecei a cozer.
Por esta altura já a casa toda tem um cheiro intenso ao doce e à canela. :) tão bom... :)

7 - De seguida coloca-se o doce dentro dos frasquinhos destinados para o efeito. Fecham-se os frascos e colocam-se de "cabeça para baixo" durante 24 horas para arrefecer e fazer vácuo e permitir assim que o doce tenha um maior grau de durabilidade (cerca de 1 ano após aberto). Se for para comer de seguida ou nos próximos dias pode colocar-se logo numa tigela ou em frascos sem estar a criar vácuo (dura aproximadamente 1 mês).




8 - Et voilá! Passadas 24 horas os frasquinhos estão aptos a serem voltados para cima e para serem oferecidos e/ou guardados e/ou consumidos.



As fotos não têm cheiro nem gosto... eu sei... e o que é doce nunca amargou... mas o meu doce de tomate ficou super saboroso e apurado. Quem provou adorou!!! :)

A parte chata é que demora imenso tempo a fazer (cerca de 5 a 6 horas ao lume, e no meu caso porque não "sangrei" os tomates) e exige que estejamos sempre por perto. De resto... a parte da limpeza da cozinha no pós-cozinhado também não se deve ocultar. ALERTA!! Vão haver salpicos por toda a parte (portanto tratem logo de tapar ou proteger os arredores do fogão) desde paredes a chão! De qualquer forma se os salpicos forem limpos na hora (ainda não estiverem secos) é rápido!
As panelas, podem colocar em água, de molho, que passados alguns minutos estão quase limpas e fáceis de lavar!

;)

1 comentário:

José Luís Correia disse...

Gosto muito. Nesta altura è presença diária em quase todos os meus pequenos almoços :p
Beijinhos Ana